Prefeitura apresenta projeto do Ver-o-Peso, mas obra só com aprovação do IPHAN

A apresentação do projeto de reforma do Ver-o-Peso, apresentado ontem pelo prefeito Zenaldo Coutinho(PSDB), foi marcada por um auditório lotado por DASs da prefeitura(foto), o que causou constrangimentos aos feirantes, que foram convidados em cima da hora para a Audiência Pública. A cada crítica dos feirantes ao projeto, ecoavam vaias, comprometendo a participação deles.
Outro detalhe: O calendário para as obras no Ver-o-Peso está amarrado ao calendário eleitoral do prefeito.
 A pressa pode comprometer. Aliás, considerei despropositado o ultimado dado pelo Prefeito Zenaldo ao IPHAN e aos feirantes. Ele ameaçou desistir da reforma se a licença do IPHAN e a concordância de feirantes não saírem até fim de fevereiro.

Considerei a proposta apresentada muito positiva. Uma evolução em reação ao marco deixado pela requalificação anterior, feita pelo governo popular do PT, no inicio dos anos 2000, e coordenada por este deputado, ainda secretário de Economia do Município.


Apesar da positividade do projeto, ainda existem muitos detalhes a serem respondidos para reforma do Ver-o-Peso. Está incompleto porque não contempla a pedra do peixe e a feira do Açai, que fazem parte do complexo. É preciso agregar na obra o componente humano. Como exemplo, a construção de uma creche para os filhos dos feirantes. Também é preciso criar uma nova abordagem para a segurança pública, com a criação de uma companhia específica, com maior contingente, para que visitantes e feirantes sejam mais protegidos.

A obra só começa com a aprovação do projeto, pelo IPHAN. O projeto da prefeitura encontra-se em análise e no aguardo do memorial descritivo e justificativo, bem como das imagens de referência a serem apresentadas pelo escritório de arquitetura contratado pela prefeitura.

A maquete eletrônica mostrada ontem, não foi ainda apresentada como parte do projeto. Portanto, a prefeitura demonstra displicência e com total responsabilidade pela obra ainda não ter saído do papel.

Comentários