quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Trabalho escravo no Pará em discussão


Dando prosseguimento a discussão sobre a minuta do Projeto de Lei, que tem como proposta a criação de um fundo para apoiar a erradicação do trabalho escravo no Pará e o Conselho Gestor que vai deliberar sobre a destinação dos recursos a serem aplicados.

É mais uma reunião de trabalho, na Assembleia Legislativa do Pará, da Comissão de Direitos Humanos, da qual sou presidente, com a super equipe de órgãos e instituições que têm atuação no enfrentamento do trabalho escravo no Pará.


O trabalho escravo é uma prática que deve ser abolida de uma vez por toda de nossa sociedade. É inaceitável que, em pleno século 21, ainda convivamos com tal perversidade de seres humanos praticados contra seus próprios pares. Homens e mulheres vivendo sem dignidade e em locais insalubres, sem nenhum direito trabalhista.


Agradeço a juíza Claudine Rodrigues, da Associação dos Magistrados do Pará, e o promotor do Trabalho, Jônatas Andrade, pelo apoio na condução da reunião.


Contribuíram nas discussões de hoje Celiana Chaves, da SEFA; Lucideia Paiva, SEASTER;
Willilald Neto e Leila Silva, Odilene Andrade e Wellen Oliveira, da SEJUDH; Quezia Silva, da Defensoria Pública da União; Marias da Penha Matos, do MPE; José Luís Brito, da Seduc; Adriana Gouveia, da Procuradoria Geral do Estado; Andrea Miralha, do TJE, e Angélica Gonçalves, da Sódireitos. Os deputados Sidney Rosa, Ozório Juvenil, e Jaques Neves mandaram representantes.

Nenhum comentário: