A crise na gestão da SEDUC


Trabalhadores e trabalhadoras em Educação ocuparam as galerias da Assembleia Legislativa(foto a esquerda), para denunciar no Parlamento a falta de interesse do governo Jatene em querer negociar com a categoria.Mas, a crise na gestão da Seduc não termina na greve dos professores.

Em meu discurso na Tribuna, alertei que, além da greve que o governo do Estado insiste em desqualificar, pipocam agora problemas relativos a gestão dos terceirizados, que já chegaram a  fechar a avenida Nazaré reclamando de salários atrasados. 

A terceirização já mostrando a sua dura realidade: o empresário recebe do governo e não paga os empregados. Enquanto isso, os serviços públicos que dependem dos serviços terceirizados são prejudicados e até mesmo paralisados. 


O Sindicato dos Trabalhadores de Empresas de Asseio e Conservação (Sinelpa), denuncia que 11 prestadoras de serviços do Estado deixaram de pagar seus empregados por atraso no pagamento das empresas por parte do governo do Estado, em especial as empresas que prestam serviços de asseio e conservações de escolas públicas.

Já está na hora do governador assumir as rédeas da SEDUC, conversar com o titular da secretaria e dar uma diretriz de gestão.

Veja o meu pronunciamento na Tribuna da Alepa:


Comentários