CPI ouve familiares das vítimas das chacinas de Icoaraci e Santa Izabel


Os familiares das vítimas mortas nas chacinas de Icoaraci e Santa Izabel do Pará, ambas ocorridas em 2011, na Região Metropolitana de Belém, serão ouvidas na manhã desta segunda-feira, 12, pelos deputados que integram a “CPI das Milícias”, da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa). As testemunhas foram convocadas pela Comissão e devem colaborar com as investigações que estão em andamento na Alepa. À tarde, novas testemunhas devem ser ouvidas e, logo após, acontecerá reunião administrativa.

Chacinas

A chacina de Santa Izabel aconteceu em agosto de 2011 e vitimou seis pessoas da mesma familia, que foram executadas a tiros. Segundo denúcia do MPE,  o crime teria sido liderado por dois policias militares da Rotam (Ronda Tática Ostensiva Metropolitana). Cinco integrantes de um grupo de extermínio que agia na região metropolitana de Belém também teriam participado dos assassinatos.

Quatro acusados respondem o processo em liberdade. Dois não compareceram a última audiência realizada em 2012, e uma quarta pessoa que teria envolvimento não foi localizada pela justiça. O processo envolvendo os acusados ainda continua tramitando na justiça.

Já a chacina de Icoaraci aconteceu dois meses após, em novembro de 2011. Na ocasião, seis adolescentes foram mortos em frente ao Instituto de Previdência de Belém (Ipamb), na rua Júlio Maria, por dois homens de motocicleta. Um dos acusados da chacina teria sido o ex-policial Rosivan Almeida. Ele foi julgado pela justiça em outubro de 2014 e condenado a 120 anos de prisão. O militar teria sido expulso da PM em 2008, após ser preso durante a operação "Navalha na Carne", acusado de integrar um grupo de extermínio que agia na Região Metropolitana de Belém.


(Assessoria com informações do G1 PA)



Comentários