sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Petistas cobram julgamento do mensalão tucano e alertam para “dois pesos e duas medidas”

Deputados José Guimarães (CE), Fernando Ferro (PE) e Margarida Salomão (MG) - Fotos: Liderança/PT

Diferentemente do julgamento da Ação Penal (AP 470), que condenou ex-dirigentes do PT, o processo do PSDB mineiro (Ação Penal 536) foi desmembrado


Parlamentares petistas cobraram nesta quinta-feira (30) celeridade do Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do processo do mensalão tucano de Minas Gerais. O prazo para a punição de crimes como peculato e lavagem de dinheiro acaba em setembro, quando completam-se 16 anos do esquema montado pelo PSDB mineiro. O processo investiga desvio de dinheiro público e de caixa dois para financiar a campanha à reeleição de Eduardo Azeredo (hoje deputado federal) ao governo de Minas, em 1998.

Diferentemente do julgamento da Ação Penal (AP 470), que condenou ex-dirigentes do PT, o processo do PSDB mineiro (Ação Penal 536) foi desmembrado. Os réus com foro privilegiado, o deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG) e o senador Clésio Andrade (PMDB-MG), que na época era candidato a vice-governador na chapa do tucano, serão julgados pelo STF. Já os réus que não possuem foro privilegiado serão julgados pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Alguns deles já começam a ser beneficiados pela demora do julgamento da ação.

Esse, por exemplo, é o caso do ex-ministro Walfrido Mares Guia (PSB-MG). O processo contra ele prescreveu na semana passada, após o réu ter completado 70 anos nesse mês. O mesmo pode ocorrer com o ex-tesoureiro da campanha de Azeredo, Cláudio Mourão. As acusações de peculato e formação de quadrilha podem estar prescritas em abril próximo, quando ele também completará 70 anos. O caso deles é analisado pela juíza Neide Martins, da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte.

“Era só o que faltava ocorrer (a prescrição dos crimes). Espero que o judiciário seja célere e rigoroso para julgar os tucanos. Não pode haver dois pesos e duas medidas”, protestou o líder do PT, deputado José Guimarães (CE). A morosidade do judiciário também foi criticada pelo deputado Fernando Ferro (PT-PE). “Essa estranha prescrição demonstra que o judiciário é seletivo. Prioriza o espetáculo para atingir o PT”, argumentou Ferro, ao lembrar a celeridade do STF no julgamento da AP 470.

Já a deputada Margarida Salomão (PT-MG), disse que “a lei deve servir para todos”, e que o “mesmo rigor verificado no julgamento da AP 470 deve ser aplicado aos tucanos”.

Envolvidos
O parecer do Ministério Público Federal referente ao que ocorreu em Minas Gerais, afirma que “vários delitos graves foram comprovados”. O documento cita 15 pessoas diretamente envolvidas no caso. Segundo inquérito da Polícia Federal, o esquema também beneficiou 159 políticos mineiros com “contribuições de campanha”.
Segundo relatório da PF, o nome do senador Aécio Neves (PSDB-MG), a época candidato a reeleição como deputado federal, constava em uma lista assinada pelo coordenador financeiro da campanha, Cláudio Mourão, como beneficiário de um repasse de R$ 110 mil (1998).

Delitos
A acusação, que hoje se encontra na Procuradoria Geral da República, aborda um esquema de desvio de recursos públicos e de doações ilegais privadas para a campanha à reeleição do então governador Azeredo. Duas estatais mineiras (Copasa e Comig) e o Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) repassaram R$ 3,5 milhões em patrocínio a três eventos esportivos promovidos por uma agência de Marcos Valério (operador do esquema). Este, por sua vez, teria feito empréstimos fraudulentos de R$ 11 milhões no Banco Rural para injetar na campanha.
Segundo inquérito da PF, seis empreiteiras também participaram do esquema. Elas doaram valores para a campanha de Azeredo e aliados, sem declarar as doações à justiça eleitoral.

O caso aconteceu em 1998, mas apenas em 2003 chegou à justiça por meio de ação civil pública. Quatro anos depois, em 2007, foi feita a denúncia criminal contra os réus.

O relator da ação contra Eduardo Azeredo no STF, o ministro Luis Barroso (que herdou o caso depois da aposentadoria de Carlos Ayres Britto), aguarda o parecer final da Procuradoria-Geral da República sobre o caso, quando só então poderá dar andamento ao processo.

(PT na Câmara)


quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

"O PT está mais preparado para propor um futuro melhor para o País", diz Rui Falcão

O #PT está mais preparado para propor um futuro melhor para o País do que seus adversários.

A afirmação é do presidente nacional do partido, Rui Falcão, dada à TV Estadão nesta semana.

“Até porque nós fizemos, estamos fazendo e vamos fazer mais e melhor”, completou.

Na entrevista, ele abordou temas relacionados à campanha eleitoral, economia do País e novos fenômenos sociais, como os “rolezinhos”.

Sobre os investimentos do governo federal na Copa de 2014, o dirigente lembrou o legado legado que ficará para as futuras gerações em obras e outras realizações.

“Não vamos permitir retrocessos”.

Assista a entrevista completa em:  http://bit.ly/1njBDJa

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Saiu na coluna Repórter Diário de hoje (29.01), do Diário do Pará


29 de janeiro – Dia do jornalista!


Parabéns a este profissional tão importante para a consolidação da democracia na sociedade contemporânea!.


O dia 29 de janeiro é celebrado por causa do jornalista e abolicionista José do Patrocínio, morto em 1905, e que também era farmacêutico e ativista político. Patrocínio idealizou a Guarda Negra, que era formado por negros e ex-escravos com a tarefa de defender a monarquia e o regime imperial.

Dia da Visibilidade de Travestis e Transexuais é comemorado nesta quarta, 29 de janeiro


Nesta quarta-feira, 29, o Brasil comemora o Dia da Visibilidade de Travestis e Transexuais. A comemoração marca a luta pelos direitos humanos e o repeito à identidade de gênero. A data foi criada pelo Ministério da Saúde (MS)em 2004 junto ao movimento brasileiro de travestis e transexuais.

Na época, o MS lançou a  a campanha “Travesti e Respeito” para sensibilizar profissionais de saúde e motivar travestis e transsexuais ao exercício da cidadania.

Violações de direitos

Dados levantados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) revelam o alto número de de violência contra travestis e transexuais. Somente no ano de 2011 foram registradas 6.809 denúncias de violações de direitos humanos da população LGBT. Em 2012, 86 travestis foram assassinadas com requintes de crueldade.

Outro fator que preocupa o Pnud e os movimentos LGBT é a escolaridade de travestis e transexuais. Muitas vezes, devido ao preconceito, não concluem o ensino fundamental por não ter reconhecido o seu nome social e pelas  humilhações que são submetidas. Dessa forma, o Dia pretende reforçar o respeito à identidade de gênero. Em diferentes cidades do país acontecem diferentes atividades em comemoração.

Em Porto Alegre, por exemplo, as atividades já começaram desde segunda-feira (27) para marcar a Semana da Visibilidade Trans.  Ao todo, serão três dias de eventos, iniciativas e inauguração de uma exposição fotográfica.

Fonte: Portal EBC, com informações da SDHhttp://migre.me/hDbln

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Castanhal - 82 anos de crescimento!




Castanhal, a cidade modelo completa hoje (28.01) 82 anos de desenvolvimento. Município do belo monumento do Cristo Redentor, de belos igarapés, dos Círios fluvial de Macapazinho e do Apeú. Desejo a todo povo castanhalense votos de progresso e que o município continue avançando nos vários segmentos como a indústria, a gricultura, a pecuária e o comércio.

28 de Janeiro - Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo


O trabalho escravo é uma prática que deve ser abolida de uma vez por toda de nossa sociedade. É inaceitável que, em pleno século 21, ainda convivamos com tal perversidade de seres humanos praticados contra seus próprios pares. Homens e mulheres vivendo sem dignidade e em locais insalubres, sem nenhum direito trabalhista. 


Por isso, neste dia, assim como em todos os outros do ano, é importante sempre denunciarmos esta prática, que fere os direitos humanos, para que as autoridades competentes possam tomar as mediadas cabíveis. (Disque-denúcia: 181 ou (94) 3346 2250)

MEMÓRIA - O dia 28 de janeiro foi oficializado como Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo como uma forma de homenagear os auditores fiscais do trabalho Erastóstenes de Almeida Gonçalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva, e o motorista Ailton Pereira de Oliveira, assassinados nesta data em 2004, durante fiscalização na zona rural de Unaí (MG).


Fonte: Andi

Deputado Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Diretos Humanos da Alepa

Bordalo pede mais segurança aos moradores de Vila do Carmo do Tocantins, em Cametá

Na tarde de ontem (27.01), acompanhei a Comissão de Moradores de Vila do Carmo do Tocantins, do município de Cametá, com a participação de Juarez Pantoja, Pe. Raimundo Nonato, Pr. Joel Dias e prof. Junior, em audiência com o  secretário de segurança Pública, Luiz Fernandes. Na oportunidade, foi debatido a importância de intensificar as ações de segurança nas comunidades, para garantir a tranquilidade da população.


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Maratona de viagens!

Este final de semana estive em mais três municípios paraenses cumprindo maratona de viagens ao lado dos companheiros Beto Faro e Helder Barbalho, onde participei do movimento “Queremos Ouvir o Pará”. Passamos pelos municípios de Bujaru, Concórdia do Pará e Tomé-Açu. Nesses locais podemos ouvir os principais anseios da população nas áreas da saúde, educação e saneamento, entre outros temas. Viagem bastante proveitosa em prol da melhoria do povo do Pará!















Jatene entrega mais um hospital à gestão privada

Como o DIÁRIO DO PARÁ antecipou na edição do último domingo, na reportagem “Sob suspeita, gestão de OS ameaça crescer”, a organização social Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social foi a grande vencedora da Convocação Pública (Edital de Seleção 001/2014) para gestão do Hospital Galileu, em Ananindeua. Dessa forma, a OS preferida do governador Simão Jatene, que desde 2011 fatura R$ 265 milhões ao ano para gerenciar os hospitais regionais de Santarém, Altamira, Marabá e o Metropolitano de Ananindeua, amplia ainda mais seu faturamento e os tentáculos na gestão da saúde pública no Estado. Agora gerencia cinco hospitais no Pará.

Os contrato de gestão com OSs podem ser renovados por até seis anos, prazo permitido por lei. Caso isso ocorra, a Pró-Saúde terá embolsado R$ 1,6 bilhão do governo do Pará no período. Nessa conta não entra o montante do contrato da Pró-Saúde com o Hospital Galileu, cujas cifras ainda não foram reveladas.

Na última quinta-feira, quatro dias após a publicação da reportagem e no dia que o Diário Oficial do Estado publicou o resultado da convocação pública, a assessoria de imprensa local da OS encaminhou nota raivosa ao jornal tentando desqualificar as denúncias, afirmando que o DIÁRIO cria notícias “que simplesmente não existem”, usando “dados inverídicos”, que prejudicam “uma das mais respeitadas organizações sociais do Brasil”.

Contra fatos não há argumentos: o resultado da seleção confirmou a escolha da Pró-Saúde para gerir o Hospital Galileu, como foi antecipado pelo DIÁRIO, ficando claro à sociedade quem fala a verdade. 
A OS se declara idônea na nota encaminhada ao jornal, mas omite que respondeu a uma ação civil pública impetrada pelo Ministério Público Federal no Tocantins que requereu a nulidade dos contratos firmados para administrar 17 hospitais públicos naquele estado por R$ 258.484.789 ao ano. Em caráter liminar, foi requerida a suspensão dos contratos de gestão firmados pelo Tocantins com a Pró-Saúde.

Irregularidades
Foram identificadas várias irregularidades na execução dos contratos: descumprimento da regra constitucional que determina a prestação dos serviços do Sistema Único de Saúde diretamente pelo poder público; desrespeito à decisão do Conselho Estadual de Saúde, que rejeitou a proposta de terceirização; indevido repasse de bens públicos a instituições privadas; gastos de recursos públicos sem processo de licitação; seleção de organização social sem a realização de licitação; impropriedade no objeto do contrato; falha na execução e irregularidade na alocação de recursos. A Pró-Saúde contratou número considerado elevado de consultorias, o que além de desvirtuar o objeto do contrato de gestão, totalizam um valor de R$ 2.331.918,23, somente em quatro meses, segundo o MPF-TO.

O contrato entre o governo do Tocantins e a Pró-Saúde foi oficializado em agosto de 2011. Em março de 2012, relatório da Comissão de Acompanhamento e Fiscalização (CAF), órgão da Secretaria da Saúde (Sesau) criado para acompanhar a terceirização da saúde, acusou a Pró-Saúde de praticar sobrepreços de até 260% em serviços contratados de terceiros. 
A CAF também acusou a OS de tentar receber por serviços em duplicidade e de descumprir o contrato de gerenciamento, que teve o encerramento antecipado para 31 de janeiro do ano passado.

OS pega hospital Galileu após gordo investimento do Estado
A Secretaria de Estado de Obras (Seop) cuidou de preparar o terreno para a Pró-Saúde faturar em cima dos recursos públicos. Foram gastos cerca de R$ 3 milhões nos últimos dois anos em obras de engenharia e mais R$ 2 milhões em equipamentos para tornar o Hospital Galileu num estabelecimento de média e alta complexidade. Ou seja, a Pró-Saúde receberá de mão beijada do Estado um hospital novo e equipado para ampliar ainda mais seu milionário faturamento. É preciso deixar claro que, ao contrário do que a propaganda governamental diz, o Galileu não é uma obra do Estado, que apenas alugou as instalações e colocou equipamentos médicos para que pudesse terceirizar o atendimento.

O Hospital Galileu começou a ser construído em 2000 pela Associação Amazônica Evangélica, ligada à igreja Assembleia de Deus, contando com o apoio das emendas da bancada evangélica paraense no Congresso Nacional. Em 2010 o hospital foi finalmente inaugurado, mas foi entregue sem equipamentos, funcionando apenas a parte ambulatorial. Em 2012 o Estado firmou um contrato com a associação evangélica e alugou o prédio por R$ 120 mil. O contrato foi renovado ano passado.

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) alega que a aquisição do Hospital Galileu se justifica para dar retaguarda em áreas críticas, servindo de apoio aos Hospitais Metropolitano, de Clínicas Gaspar Viana e do Abelardo Santos, devido ao “estrangulamento da capacidade de leitos para atender a demanda”.

Numa série de reportagens feitas ano passado, o DIÁRIO mostrou que o faturamento da Pró-Saúde é sempre garantido, sem nenhum desconto, com a empresa atingindo ou não as metas contratadas - fato que, segundo profissionais da saúde ouvidos pelo DIÁRIO, deveria ser alvo de apuração do Ministério Público Federal por caracterizar improbidade administrativa envolvendo verbas federais.

Mina de ouro
A privatização dos hospitais regionais na administração de Simão Jatene se tornou um verdadeiro negócio da china. As irregularidades cometidas pela Pró-Saúde, maior das OSs que atua no Pará, têm inclusive registro em balancetes. Para gerenciar os hospitais sob sua responsabilidade, a Pró-Saúde cobra um percentual de 10% a título de “taxa de administração” do valor total dos contratos de gestão que mantém com a Sespa- ou seja, dos R$ 265 milhões que recebe por ano do Estado para gerenciar os quatro hospitais, a Pró-Saúde fica com R$ 26,5 milhões sem descontos.

A margem do lucro é tamanha que a Pró-Saúde chega a utilizar recursos públicos destinados à manutenção dos hospitais, como o de Santarém, para custear despesas de outros hospitais administrados por ela, inclusive particulares, como é o caso dos Hospitais de Altamira, de Marabá e até de Porto Trombetas, conforme observado no balancete de prestação de contas de fevereiro de 2013.

O DIÁRIO encaminhou questionamentos para a Pró-Saúde acerca do contrato de gestão com o Hospital Galileu e com os demais hospitais regionais administrado pela OS. Em nota, a Pró-Saúde informa apenas que todas as informações sobre o resultado final da Convocação Pública, Edital de Seleção para o Hospital Galileu, “são públicas e estão disponíveis no Diário Oficial do Estado do Pará, edição de 23/1/2014” e que “todos os contratos celebrados com o Governo do Pará são públicos e estão disponíveis no Diário Oficial do Estado do Pará”.

A OS assegura ainda que não responde a qualquer inquérito policial na Justiça Estadual ou no Tribunal Regional Federal da Primeira Região envolvendo sua atuação no Tocantins.

(Diário do Pará) http://migre.me/hBxCn

sábado, 25 de janeiro de 2014

Pé na estrada: Bordalo em Nova Timboteua

Nesta sexta-feira (24.01) o deputado Bordalo continuou sua agenda de visitas aos municípios que atua com seu trabalho legislativo. Dessa vez foi Nova Timboteua, onde Bordalo participou de uma reunião que contou com as presenças de Selma, presidente do PT local; Adeilson, vice-Prefeito; vereador Aguinaldo; Tuca, presidente do STTR; além de lideranças sindicais. A oportunidade possibilitou uma prestação de contas, análise de conjuntura estadual e nacional, e ainda a definição de novas diretrizes para 2014. Momento de diálogo e reafirmação do projeto nacional.















sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Governo não paga e empresa retira grama de escola em Santarém

Governo não paga e empresa retira grama de escola (Foto: Reprodução/RBATV)
Pela falta de pagamento, empresa retirou a grama da escola (Foto: Reprodução/RBATV)

A empresa Grama Santarém retirou, nesta quinta-feira (23), toda a grama que decorava a paisagem de um pequeno parque mantido pela escola estadual Rio Tapajós, localizada na periferia de Santarém, no oeste do estado. A escola foi a mesma onde o governador Simão Jatene discutiu com alunas que o questionaram sobre a reforma executada na instituição, classificada por elas como “maquiagem”. O motivo para a retirada, segundo o proprietário, foi a falta de pagamento.


“Estava tão bonita a escola, mas agora eles estão tendo que tirar porque o governador não pagou, eu acho que ele tinha que cumprir o que prometeu. Eu me sinto envergonhada de ver isso”, disse a aluna Edivânia Albarado, 14 anos, da 8ª série.

A retirada da grama foi decpcionante para pais, alunos e professores da escola (Foto: reprodução/RBA TV)
Os professores também manifestaram sua revolta contra o ocorrido. Ormano Sousa, educador desde o ano de 2003 na instituição, conta que o parque foi um projeto de professores e alunos preocupados com a arborização da escola. “Isso deixa a gente num estado emocional de tristeza, a gente não tem palavras pra expressar o que estamos vendo agora. Aquilo que nós tínhamos feito por iniciativa dos professores, de arborização... Aquilo que as alunas disseram que é uma maquiagem, está se configurando agora, lamentavelmente”, disse, decepcionado. 

MAQUIAGEM
No ano passado, ao visitar a escola, Jatene discutiu com três alunas que questionaram sobre as obras na escola. Segundo elas, apenas uma pintura foi feita, mas os problemas estruturais não foram solucionados.
“No dia que ele (governador) veio aqui, a gente não falou para bater de frente ou tratar mal, mas porque nós percebemos que o que ele dizia não era de acordo com o que estava acontecendo, por isso tivemos aquela explosão”, relata Rayane Vieira, uma das estudantes que questionou o governador. “E o que aconteceu agora, é a prova da ‘maquiagem’ que agora está sendo borrada”, conclui Luara Rebelo. 

(DOL com informações de Raphael Ribeiro/Diário do Pará) http://migre.me/hyWzg

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Presidente do PT de Limoeiro do Ajuru em visita ao gabinete

Apesar do recesso legislativo, as atividades parlamentares continuam. Hoje (23) recebi o companheiro e amigo Carlinhos, atual Presidente do PT de Limoeiro do Ajuru, e o companheiro Marquinho. Foi uma conversa frutífera para a realização de projetos que apoiam a organização social de vários setores da cidade de Limoeiro.


Visita ao município de Viseu

Estive nesta quarta-feira (22) em agenda no município de Viseu. Na ocasião, tivemos encontro com o prefeito, Cristiano Vale, e fizemos reunião da AS. Deputado Beto Faro também esteve presente.






Justiça de MG livra Mares Guia de acusações do mensalão mineiro

Foto: Beto Nociti / Futura Press
A Justiça de Minas Gerais decretou extinta a punibilidade de Walfrido dos Mares Guia, acusado de participar de esquema de desvio de dinheiro público em 1998 para a campanha do deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG), então candidato à reeleição ao governo do Estado. As denúncias são investigadas no processo que ficou conhecido como mensalão mineiro.
 
A juíza Neide da Silva Martins, da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, entendeu que as acusações de peculato e formação de quadrilha prescreveram em 2012, quando Mares Guia completou 70 anos. "Tendo transcorrido prazo superior a oito anos entre os fatos e o recebimento da denúncia, declaro extinta a punibilidade do réu Walfrido Silvino dos Mares Guia Neto, qualificado nos autos, pela ocorrência da prescrição da pretensão punitiva do Estado", decidiu a juíza.

A denúncia contra Mares Guia, que ocupou cargo de ministro do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e foi integrante do governo tucano em 1998,  foi recebida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2009. No entanto, a Corte decidiu que apenas réus com foro privilegiado responderiam às acusações no STF, e determinou o desmembramento do processo para que 14 envolvidos respondessem às acusações na Justiça de Minas Gerais. Após o desmembramento, somente Eduardo Azeredo e o senador Clésio Andrade (PMDB-MG), então candidato a vice-governador, são processados no STF.

Nas ações penais 536 e 606 são apurados possíveis desvios de dinheiro público durante a campanha de Azeredo. Segundo a Procuradoria Geral da República, o então candidato teria se beneficiado de recursos procedentes de um esquema que envolveu a empresa de publicidade SMP&B, de propriedade do publicitário Marcos Valério, condenado no processo do mensalão por fatos semelhantes. De acordo com a procuradoria,  R$ 3,5 milhões foram desviados de empresas estatais mineiras para a campanha.

Na época em que a denúncia foi recebida, Azeredo negou as acusações e disse que não há qualquer documento que confirme o uso de recursos de caixa dois na sua campanha à reeleição. O parlamentar também disse que nunca autorizou repasses para dinheiro para as empresas de Marcos Valério.

O mensalão mineiro
Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o mensalão mineiro foi um esquema que vigorou em 1998, durante a campanha de reeleição de Eduardo Azeredo ao governo de Minas Gerais. Azeredo, que hoje é deputado federal pelo PSDB, e outras 14 pessoas foram denunciados em 2007 pelo desvio de pelo menos R$ 3,5 milhões dos cofres públicos do Estado.

De acordo com as investigações da Polícia Federal, o montante teria sido desviado por meio de patrocínios das empresas estatais Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Comig), Companhia de Saneamento de MG (Copasa) e Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) a eventos esportivos de motocross. O esquema teria sido viabilizado com a participação da agência SMP&B Comunicação - a mesma suspeita de participação no mensalão do PT -, que seria a responsável, segundo o processo, por captar e repassar os montantes obtidos junto às estatais para a campanha eleitoral.

Em 2009, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou a denúncia de crimes de peculato e lavagem de dinheiro contra Azeredo, que possui foro privilegiado, e determinou que os outros 14 acusados respondessem aos crimes na Justiça Federal de 1ª instância. O processo, no entanto, foi remetido à Justiça estadual porque, conforme a Constituição, não são de competência da instância federal.

Em 2010, a 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte recebeu a denúncia de peculato e lavagem de dinheiro contra 11 acusados, entre eles o candidato a vice governador de Azeredo na época, o atual senador Clésio Andrade (PR); o ex-ministro do Turismo Walfrido dos Mares Guia; o empresário Marcos Valério - também réu no mensalão do PT - e os ex-sócios dele na agência SMP&B Comunicação, Ramon Hollerbach Cardoso e Cristiano de Mello Paz.




quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Recesso ativo!

Estou em mais uma maratona de viagens pelos municípios do interior do Pará. Visitarei 6 cidades até o próximo sábado (25). Hoje (quarta-feira, 22), estou em Viseu, junto com o companheiro deputado federal Beto Faro. Na sexta-feira (24.01) estarei em Nova Timboteua e Capanema. Estas viagens proporcionam encontros importantes com prefeitos, vereadores, lideranças locais e com o povo!
Diretor francês da empresa Alstom revelou mais detalhes sobre o cartel do metrô, montado ao longo dos governos tucanos em São Paulo. Segundo este executivo, a multinacional autorizou o pagamento de propina de 15% sobre um contrato de US$ 45,7 milhões para fechar um negócio com uma estatal paulista em 1998. 

Trata-se da primeira confissão do esquema de suborno. A sociedade brasileira espera rigor das autoridades na punição dos envolvidos neste grave episódio de corrupção. http://ow.ly/sP6eb

Campanha pró-Genoino arrecada R$761,9 mil; mais de 2 mil se solidarizam