terça-feira, 31 de julho de 2012

Verdades e mentiras sobre o mensalão.

Na sequência, publico hoje Verdades e Mentiras sobre o mensalão. Julgamento no STF começa amanhã, mas o da velha mídia já começou.

Se a imprensa quiser me ouvir sobre o assunto, tou às ordens.

Mais sobre o mensalão, clique neste site Tudo sobre o mensalão:



 Em junho de 2005, o então deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) acusou o PT de “pagar mesada” a mais de 100 deputados da base aliada para que estes votassem a favor do governo no Congresso Nacional.

Segundo ele, a “compra de votos” era feita com dinheiro público. Jefferson batizou o suposto esquema de “mensalão” e disse que o “cabeça” era o então ministro Chefe da Casa Civil, José Dirceu.
Sete anos se passaram.

As denúncias de Jefferson jamais foram comprovadas. Nem ele, nem as três CPIs que trataram do assunto, nem o Ministério Público, nem a Polícia Federal, nem as dezenas de investigações paralelas da imprensa e dos órgãos de fiscalização conseguiram reunir elementos que sustentassem as acusações.

O chamado processo do “mensalão”, ação penal que corre no STF sob o nº 470, tem quase 50 mil páginas e mais de 600 depoimentos. Nessa extensa peça processual, só uma pessoa sustenta que o esquema teria existido: o próprio Roberto Jefferson. E mesmo Jefferson, em suas alegações ao STF,
lança dúvidas a respeito, ao afirmar que seu partido (PTB), que também era da base aliada, recebeu recursos oriundos de acordos eleitorais.

A ficção político-midiática de Jefferson, por outro lado, tem fortes aliados na imprensa. A grande maioria dos articulistas da mídia tradicional está cegamente convencida de que o PT comprou votos de deputados com dinheiro público, sob o comando de José Dirceu.

Co-autora da tese acusatória, a mídia montou um tribunal paralelo. Denunciou, julgou e condenou. Ao STF, na opinião dessa mídia, cabe apenas o papel secundário de decidir o tamanho das penas – e agir rapidamente para que elas não prescrevam!

Repetem o mantra todos os dias. Com isso, exercem forte pressão sobre a opinião pública. Pressão que agora se volta também contra os magistrados do Supremo, às vésperas do julgamento.

Recentes acontecimentos da política nacional, que levaram à criação da CPI do Cahoeira, talvez joguem um pouco de luz sobre essa obsessiva fixação – que começa a assumir ares de desespero.

Este documento tem o objetivo de desmontar ponto-a-ponto, com base nos fatos e nos autos, as principais acusações contra o PT, o governo Lula e o exministro José Dirceu no chamado “caso mensalão”.

1. O PT pagou mesadas a deputados para que votassem a favor de  projetos do governo no Congresso.
Os fatos  

O PT ajudou partidos aliados a financiar suas campanhas nos estados, relativas às eleições de 2002 e 2004. Em alguns casos, conforme asumido publicamente em entrevistas e depoimentos, a ajuda não foi declarada à Justiça Eleitoral. Nunca houve pagamentos mensais.

Não ficou demonstrada ligação entre as datas dos depósitos bancários e as votações na Câmara. Pelo contrário: existem datas em que os saques coincidem com derrrotas do governo em votações importantes. Dados da Câmara mostram, por exemplo, que em 2004, após elevados repasses, caiu o
apoio ao governo nas votações.

O Ministério Público, nas alegações finais enviadas ao STF, sustenta que houve “compra de votos”. Porém, diante da fragilidade da própria denúncia, não consegue ir além de afirmações vagas e imprecisas. Diz que “alguns” parlamentares, em “algumas votações”, votaram com o governo em datas próximas de “alguns” saques.

O que de fato existe no processo são testemunhas que provam que nunca houve compra de votos.

2. O “esquema” envolveu dinheiro público 
Os fatos
As transferências para que aliados quitassem dívidas de campanha, que a mídia chama de “mensalão”, não envolveram dinheiro público. O dinheiro veio de empréstimos feitos junto aos bancos privados Rural e BMG.

Por absoluta inconsistência, a acusação de desvio de dinheiro público contra oas principais nomes do processo, entre eles José Dirceu, já foi rejeitada por unanimidade dos 11 juízes do STF, em agosto de 2007.

3. José Dirceu, o “Todo-Poderoso”, era o “chefe da quadrilha do mensalão”.
Os fatos
José Dirceu é um importante quadro político do PT e teve papel de destaque no governo federal. Ele era presidente do partido em 2002, quando coordenou a campanha vitoriosa de Lula. Depois, afastou-se da direção do PT e assumiu a Casa Civil.

José Dirceu não “mandava” noPT ou no governo. Dizer isso é desconhecer funcionamento do PT e as características do sistema político brasileiro – submetidos, nos dois casos, às regras da democracia, aos limites institucionais, às construções políticas e à vontade soberana do povo brasileiro, tudo sob
vigilância de uma imprensa livre. Não existe no processo uma única prova que dê suporte à acusação de que José Dirceu integrava e comandava uma quadrilha.

Dirceu teve todos os seus sigilos quebrados (fiscal, telefônico e bancário), foi investigado como poucas pessoas no Brasil, e não se descobriu qualquer fato que pudesse lançar suspeita sobre sua conduta pessoal  e política nesse caso.
 
03. Houve desvio de dinheiro público
Os fatos
As transferências para que os aliados quitassem dívidas de campanha que a mídia chama de “mensalão”, não envolveram dinheiro público. O dinheiro veio de empréstimos feitos juntos aos bancos privados   Rural e BMG. Por absoluta inconsistência, a acusação de desvio de dinheiro público contra os principais nomes do processo, entre eles José Dirceu, já foi derrubada  no STF.

04. Para “bancar o esquema”, o  BMG recebeu benefícios do governo.
Os fatos
Todas as instituições de fiscalização e controle, entre elas o TCU (Tribunas de Contas da União), atestam que não houve qualquer favorecimento ao BMG.

05. O “mensalão”  foi “o maior esquema de corrupção da História do Brasil”.
Os fatos
Diante dos fatos e das investigações, essa tese desmorona.
Mas ela sobrevive nas manchetes e no discurso oposicionista, com o objetivo de criminalizar o PT e o governo Lula – ou de desviar a atenção da opinião pública quando eles próprios são pegos em transações obscuras.
 Os que usam essa estratégia são os mesmos que silenciaram diante das revelações do livro “A Privataria Tucana”, lançado no final do ano passado, eque agora omitem ou minimizam as relações criminosas de setores da imprensa com o contraventor Carlos Cachoeira. 
.

6. A cassação de José Dirceu, na Câmara dos Deputados, é a prova de que o mensalão existiu e de que ele, Dirceu, estava envolvido
Os fatos
O relatório produzido contra José Dirceu no Conselho de Ética da Câmara, que
serviu de base para a cassação de seu mandato parlamentar, é na verdade
uma mera peça de retórica, vazia do ponto de vista do processo legal e repleta
de falhas e lacunas.

A fragilidade é tanta que seu autor, o deputado Júlio Delgado, sequer foi
incluído entre as testemunhas de acusação no processo que corre no STF.

A cassação de José Dirceu foi política e se deu em meio ao clima dcaça às
bruxas instalado pela mídia contra todos os que se opunham às suas teses e
aos seus desejos – sendo o principal deles atingir Dirceu na expectativa de que
isso desestabilizaria o governo Lula.

O mais absurdo é que, antes de ter cassado Dirceu por supostamente “chefiar
o mensalão”, a mesma Câmara cassou Roberto Jefferson por este não ter
conseguido provar a existência do “mensalão”...

7. No governo, José Dirceu beneficiou o BMG na implantação do programa de crédito consignado. Também atuou para livrar o banco dos órgãos de controle e fiscalização.
Os fatos
Essa acusação é uma das âncoras do processo de formação de quadrilha.
Para a oposição, a mídia e o Ministério Público, essa trata-se da principal“evidência” de que houve “desvio de dinheiro público” e de que José Dirceuestava no comando “do esquema”.
Ocorre que nada disso foi comprovado. O TCU, instituição independe, investigou a denúncia e concluiu que não houve qualquer benefício ao BMG.
Da mesma maneira, ficou provado que o banco jamais deixou de ser fiscalizado pelos órgãos de controle do sistema financeiro – que também são independentes.
De tão absurdas e infundadas, o próprio Ministério Público abandonou estas imputações em suas alegações finais.

 8. José Dirceu manteve vários contatos com Marcos Valério, apontado como “operador do mensalão”
Os fatos
Zero é o número de testemunhas, documentos, dados bancários ou telefônicos que a acusação produziu para sustentar o imaginado vínculo entre Marcos Valério e José Dirceu.
Todos os episódios apontados como suspeitos pelo Ministério Público foram profundamente debatidos na ação penal, e todas as testemunhas ouvidas em Juízo provaram a inexistência de qualquer espécie de relação entre ambos.

09. O governo Lula foi “leniente” com a corrupção
Os fatos
Nunca se combateu tanto a corrupção quanto nos governos do PT (Lula e Dilma). Somente no governo Lula, a Polícia Federal fez mais de mil operações, com 14 mil presos, sendo 1.700 servidores públicos – além de empresários, juízes, policiais e políticos, inclusive do PT.

O governo Lula também fortaleceu os órgãos de controle e de fiscalização, além de dar total independência ao Ministério Público Federal.
A título de comparação, no governo tucano a PF fez apenas 28 operações e o Procrador-Geral da República era mais conhecido por “Engavetador-Geral”.


10. Se o STF aceitou a denúncia contra os “mensaleiros”, é porque as acusações são consistentes.
Os fatos
Com forte pressão da mídia sobre a opinião pública, o STF decidiu receber a denúncia e abrir o processso. No dizer de um dos seus ministros, os juízes votaram “com a faca no pescoço”. Mas recebimennto não é sinônimo de condenação ou pré-condenação. Pelo contrário. A abertura do processo serve para que as investigações sejam aprofundadas e para que os acusados possam se defender.

A Constituição Brasileira garante que nenhum cidadão será condenado sem provas e que todos terão um processo justo e com efetivo direito de defesa.
A partir do momento em que o STF aceitou a denúncia, caberia ao Ministério Público apresentar os elementos que comprovassem suas acuações iniciais.
Mas isso não aconteceu.
O que se vê nas alegações finais do Ministério Público é um verdadeiro conjunto vazio. Nenhuma prova foi produzida contra Dirceu. Ao contrário, foiconstruído um acervo probatório que atesta a sua inocência.

11. O PT quer usar a CPI do Cachoeira para “abafar” ou “adiar” o julgamento.
Os fatos

Investigações recentes da Polícia Federal evidenciam, entre outros fatos graves, que a quadrilha de Carlos Cachoeira aliou-se a veículos de imprensa – principalmente a Revista Veja – para produzir denúncias contra o governo do PT e favorecer os interesses do bicheiro. Isso pode vir à tona na CPI. É disso que parte da mídia tem medo. É esse medo que a faz produzir teorias como essa.

O PT não quer nem tem poder para abafar ou adiar o julgamento. Ao contrário, esta será a oportunidade decisiva para que se restaure a verdade.

No que se refere a José Dirceu, ele já deixou claro – em entrevistas, declarações e textos – que confia na a Justiça brasileira e quer ser julgado o mais rápido possível.

A data do julgamento depende somente dos ministros do Supremo, que precisam cumprir os procedimentos e prazos legais, bem como cuidar das demais demandas do Tribunal. 
Atualmente, o processo está na fase de revisão. Concluída esta etapa, estará
pronto para ser colocado em pauta.

12: A imprensa não faz nada além de noticiar, investigar e zelar pela ética na política.  
Os fatos
A grande imprensa no Brasil tomou partido. Quando se trata do PT e seus aliados, ela não só investiga e noticia, como julga e também condena – independentemente dos fatos. 

Hoje, sabe-se que parte importante dessa imprensa aliou-se ao esquema criminoso do bicheiro Carlinhos Cachoeira para produzir várias denúncias contra os governos Lula e Dilma, entra elas a que deu origem m ao chamado “mensalão”. 

Nas duas últimas eleições presidenciais, essa imprensa trabalhou ativamente para eleger o candidato da oposição – produzindo farsas como o famoso ataque da bolinha de papel. 

Agora tenta manipular a opinião pública e pressionar o STF para ver “comprovada” a tese do mensalão, da qual ela se tornou a principal porta-voz. 

Mas os fatos a desmentem. E a verdade prevalecerá.

Na Santa Casa hoje faltam leitos, aparelhos respiratórios e falta diálogo. É assim a saúde pública sob gestão tucana no Pará

O (CRM) - Conselho Regional de Medicina do Estado do Pará enviou ontem 30, ao Governador Jatene, cópia do relatório de visita realizado na Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. No documento, o CRM solicita providências urgentes em relação à Santa Casa. A visita foi feita no último sábado 28, por três Conselheiros do CRM-PA. 

Segundo os médicos, profissionais escolhem quem vai ter prioridade no atendimento e não morrer. Falta de leitos, de aparelhos respiratórios e um agravante a tudo isso: falta de diálogo com a direção do hospital.

A seguir, um resumo do que ocorre hoje na Santa Casa, resumo feito pela ex-governadora Ana Júlia e pela jornalista Franssinete Florenzano. 

À tarde, publicarei a sequência sobre as verdades e mentiras do mensalão. Bom dia!


Em seu blog, a companheira e ex-governadora do Estado, Ana Júlia, diz:
 Jatene brinca com a saúde do povo.



As denúncias sobre a superlotação na Santa Casa de Misericórdia continuam. Agora, descobriu-se que os novos leitos de UTI anunciados pelo governador para desafogar o atendimento a bebês em situação de risco não passaram de pirotecnia. Na verdade, as máquinas foram montadas apenas para as filmagens e fotografias, sendo depois encaixotadas novamente.

Jatene está brincando com o povo. Ou melhor, com a vida do povo.

Em meu governo, enfrentamos um problema grave no mesmo hospital. É fato que o problema é oriundo da municipalização dos serviços de saúde, que aconteceu sem que os municípios tivessem estrutura para comportar estes serviços. Logo, ele só poderá ser combatido através de um apoio do governo estadual aos municípios, para que proporcionem uma atenção básica em saúde de qualidade. Para isso, instituímos o Programa de Atenção Básica, que repassava aos municípios recursos, ajudando a custear aos serviços de saúde. Mas este repasse já não é mais feito.

Instalamos também Unidades de Cuidados Intermediários em hospitais municipais e conveniados com o SUS, para dar a assistência necessária a parturientes com gravidez de risco, desafogando o atendimento na capital e salvando vidas. Foram inauguradas 6 UCIs Neo-Natais: Belém(Hospital Abelardo Santos), Abaetetuba, Ananindeua, Castanhal, Bragança e Parauapebas.

Ajudamos os municípios a aumentar as equipes do programa saúde da família. O programa, que atendia 21,64% da população de 119 municípios em 2006 passou a cobrir 41% em 137 municípios. Aplicamos ao longo de 4 anos cerca de 5,3 bilhões de reais na saúde pública, 37,5% a mais do que o governo anterior.

Cuidamos também da Santa Casa. Investimos na ampliação dos serviços de UTI, com a instalação de 18 novos leitos, dando um salto de quase 90% neste tipo de leitos do hospital. Fora o investimento na construção do novo prédio da Santa Casa. Orçada em R$ 110,8 milhões, a nova Santa Casa terá 180 novos leitos, quase duplicando a capacidade de atendimento do prédio atual, tornando-a moderna e capaz de satisfazer as necessidades da população.

Convém destacar que a obra, recebida por Jatene em andamento e com recursos garantidos, andou a passos de tartaruga. Recentemente ela tem aparecido na publicidade oficial como uma obra de Jatene.

Mas o povo paraense sabe quem cuidou da saúde das nossas mulheres e crianças, não é mesmo?

Outros investimentos na Santa Casa de Misericórdia:

Foram investidos R$ 12.563.249,66 na aquisição de equipamentos, reformas do prédio e capacitação de profissionais de todos os setores.

Investimentos de R$ 6.000.000,00 em obras de adaptação e novos equipamentos (ressonância magnética e tomógrafo) com capacidade de duplicar as tomografias e realizar 500 ressonâncias/mês.

Recuperação completa do Centro Obstétrico, Área de Pré - Parto, Parto e Pós Parto; com troca de mobiliários e equipamentos .

 Reforma completa do centro cirúrgico e enfermarias - R$ 1.500.000,00 investidos. Implantação do "Novo Espaço Acolher" para hospedar e atender as vitimas de "escalpelamento" e seus acompanhantes durante o tratamento (em espaço externo à área hospitalar). Inauguração da "Nova UTI Pediátrica" que duplicou os leitos (de 5 para 10).

 Implantação de novos programas de residência médica e contratação de 108 preceptores para todos os programas. Ampliação das taxas de sobrevida de recém nascidos em todas as faixas de peso; ampliamos de 25% para 38,1% entre os mais graves (peso menor de 1.000 gr ) . Criação do "Projeto Parceiras do Peito", para prevenção do câncer de mama. Parceria com a AMAM de capacitação continuada de profissionais de saúde do Marajó (PROJETO SUSPENSO ATUALMENTE). "Premiação Bronze" em qualidade de gestão - 2009 e 2010 .

==

Na semana passada, a blogueira e jornalista Franssinete Florenzano denunciava em seu blog:

O drama dos bebês da Santa Casa

 O Sindicato dos Médicos do Pará vai protocolar uma representação no MPE e MPF contra a Fundação Santa Casa pela falta de atendimento correto aos recém-nascidos no hospital.

Segundo os médicos, profissionais escolhem quem vai ter prioridade no atendimento e não morrer.

Falta de leitos, de aparelhos respiratórios e um agravante a tudo isso: falta de diálogo com a direção do hospital. Esses são alguns dos problemas da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, apontados pelo diretor do Sindicato dos Médicos do Pará (Sindmepa), João Gouvêa.

Segundo ele, ainda hoje a entidade entrará com representações contra a fundação nos Ministérios Públicos Estadual e Federal, no Conselho Regional de Medicina e na Divisão de Investigações e Operação Especiais (DIOE) da Polícia Civil.

A Fundação Santa Casa é um hospital que atende 100% pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e está cadastrado como referência na atenção à gestante de alto risco e ao recém nascido.

O sindicato afirma que há cerca de 20 dias, vários médicos funcionários da Santa Casa procuram a entidade para tomarem alguma atitude em relação à atual situação do atendimento aos recém-nascidos no hospital. “Não tem condições para um médico trabalhar lá, é uma situação de estresse muito grande você não ter como atender os pacientes. Vários estão saindo de lá e se fosse eu também já teria saído’, afirma Gouvêa.

O diretor explica que a falta de leitos na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) está lotando a Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) e até a enfermaria com pacientes que precisariam estar na UTI. Segundo ele, “A UCI é um espaço intermediários para aqueles bebês que saíram da UTI, mas ainda não podem ir para a enfermaria ou para aqueles que precisam sair da enfermaria e receber mais cuidados na UCI. O que acontece é que como a UTI só tem 20 leitos, os pacientes graves são atendidos nos 60 da UCI e, às vezes, são atendidos até na enfermaria”, explica o médico.

Em sua página na rede social “Twitter”, o Secretário de Comunicação do Estado, Ney Messias Júnior, afirma que "esta é uma superlotação fabricada e que estoura na Santa Casa”. E critica a denúncia feita pelos profissionais de saúde: “se os médicos querem ajudar de verdade, deveriam denunciar os hospitais particulares que não estão recebendo pacientes do SUS”, rebate o secretário.

Sobre a declaração do Secretário, o diretor do Sindmepa afirma que existe sim essa tendência de os hospitais particulares não atenderem mais pelo SUS devido baixo valor pago pelo atendimento e que existe uma deficiência no atendimento pré-natal dos municípios, mas que esse é um problema que a Secretaria Estadual de Saúde deve resolver. “Sabemos que existem esses problemas, mas precisamos de solução, não podemos deixar recém-nascidos morrerem por razões evitáveis”.

Para ele a resposta do Governo “é muito simplista e não podemos compactuar com isso. Crianças estão morrendo”, responde. A escolha de Sofia - Gouvêa afirma, também, que existem casos de recém-nascidos precisarem de um aparelho respiratório que só teria na UTI e, por isso, não terem atendimento correto.

“Eles tem que avaliar quem eles ainda podem salvar com aquele aparelho e acabam tendo que fazer a escolha de Sofia”, conta João Gouvea se referindo ao filme americano de 1982 que conta a história de uma mãe polonesa presa em um campo de concentração na Segunda Guerra que é forçada, por um soldado nazista, a escolher um dos dois filhos para ser morto. Se ela não escolhesse, ambos seriam mortos.

Para ele, o problema ainda deve piorar já que vários profissionais estão alegando estresse e afirmando que querem deixar de atender no hospital. “Vários profissionais estão pensando em sair de lá porque eles tem medo de serem responsabilizados por alguma fatalidade que aconteça”. Por isso, o sindicato entrará com uma denúncia no Conselho Regional de Medicina para que “o conselho avalie eticamente se existem condições para que médicos trabalhem lá”, afirma o médico.

O Sindicato vai aguardar a decisão dos órgãos acionados para decidirem os próximos passos.

Denúncia – A situação do hospital veio à tona quando um médico pediatra da Santa Casa de Misericórdia denunciou à polícia na terça-feira (10), que 12 bebês recém-nascidos, internados em estado grave, estariam recebendo atendimentos em locais intermediários.

O médico que não quis se identificar informou que os bebês necessitam de tratamentos especiais na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal, mas estariam sendo tratados, de forma improvisada, em outros locais que não possuem suporte necessário para estes casos.

 Na ocasião, a gerente de neonatologia, Vânia Pinto, confirmou que há superlotação na unidade, mas segunda ela, apenas dois bebês aguardavam a transferência para UTI. “As crianças já estavam dentro da unidade, o que significa que elas já estavam recebendo os primeiros tratamentos corretos”, garantiu."
Reportagem publicada em "o Liberal" deste domingo último, 29/7/12.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Saiba a cronologia do mensalão que vai a julgamento dia 2 de agosto

Depois de amanhã começa o julgamento do mensalão, que o ministro Ayres Britto batizou formalmente de AP 470, o número do processo no STF - Supremo Tribunal Federal. É um julgamento midiático, com encartes nos jornalões de domingo e cobertura especial.

Enquanto aguardo o julgamento do mensalão tucano, que é anterior, é de 1998, começo hoje a publicar alguns dados que parte da chamada grande imprensa tem se empenhado em ocultar sobre o mensalão que vai ser julgado no dia 2.

Assista ao vídeo sobre a cronologia do mensalão e leia o artigo mais abaixo, publicado por Saul Leblon hoje na Carta Maior:

 A cronologia do mensalão
 

O mensalão e o photoshop de um tempo histórico

Quando Serra ataca blogs críticos, classificando-os de 'sujos', ou se refere ao PT como um partido que usa métodos nazistas, e Veja faz do photoshop seu principal argumento 'jornalístico' na demonização de lideranças adversárias -como na capa da edição desta semana, com o ex-ministro José Dirceu - , o objetivo é infantilizar o discernimento da sociedade, quebrar seu senso crítico para inocular valores e legitimar interesses que de outro modo figurariam como controversos, ou mesmo intragáveis, no imaginário social. 

Parte do que consta no processo AP 470, o do mensalão.

A infantilização da política é a tradução 'popularesca' da judicialização, o recurso extremo de um tempo em que projetos e referências históricas do conservadorismo foram tragados pela conflagração entre os seus interesses e as urgências da sociedade humana - entre elas a urgência ambiental e a urgência, a ela associada, de se convergir para formas mais sustentáveis de produção e repartição da riqueza. 



Órfãos da crise do Estado mínimo, açoitados diariamente pelo noticiário econômico, soterrados nos escombros das finanças desreguladas --aqui e alhures-- que argumento lhes resta, além do photoshop dos fatos na tentativa, algo derrisória, de ainda vender peixe podre como iguaria inexcedível? 



Nos EUA, a extrema direita e seus veículos, a exemplo das respectivas versões tupiniquins, usaram e abusaram do photoshop para implantar chifres demoníacos no perfil essencialmente cool de Obama, ademais de classificá-lo, ora de comunista, ora de nazista, com direito ao bigodinho do Führer. A extrema direita e a direita norte-americana não podem permitir a dissecação política do colapso financeiro - fruto de sua costela - em outro ambiente que não o photosop e a barragem judicial às medidas requeridas pela desordem reinante. 

Semi-informação, assim como a semi-cultura do bueiro televisivo, formam o lubificante da infantilização e da impenetrável judicialização da política. O episódio chamado de 'mensalão' cumpre o papel de prato de resistência dessa ração tóxica servida à opinião pública nacional. O tema efetivo do julgamento que se inicia esta semana no STF argüi os alicerces do sistema político brasileiro. O nebuloso financiamento privado das campanhas eleitorais, indissociável da rejeição conservadora ao financiamento público, é a contraparte de um interdito mais amplo à presença do Estado - leia-se, do interesse público - em todas as esferas da vida social e econômica. 

A direita nativa - e seu dispositivo midiático - sabe que o cerne da questão refere-se à prática do caixa 2 de campanha, uma degeneração intrínseca à entrega de um bem público, a eleição, à lógica de mercado. O jogo do toma-lá-dá-cá instaurado a partir da indução à busca de recursos privados não poupa direita ou esquerda. Todos os partidos foram e são reféns desse moedor que abastarda projetos e rebaixa a soberania democrática.

O PSDB de Serra, por sinal, desfruta o cume do pódium como pioneiro e virtuose, com o comprovado engate do valerioduto mineiro ao caixa 2 da fracassada tentativa de reeleição do ex-presidente do partido, Eduardo Azeredo, em 1998. Romper esse dínamo implica, na verdade, alargar as fronteiras da democracia, libertando-a não apenas do dinheiro privado, mas também dos limites exauridos do sistema representativo, revitalizando-o com a ampliação de mecanismos de consultas e referendos mais regulares e adequados às demandas de participação da cidadania. 

O photoshop da Veja responde a esse divisor histórico desenhando chifrezinhos colegiais em Chávez, por exemplo. Ao reduzir a crise da economia e da sociedade a um tanquinho de areia, a direita brasileira quer garantir o seu recreio nas próximas semanas, fantasiando a hora do lanche à sua conveniência, com a esperada ajuda de alguns bedéis togados. Pode ser que atinja seu objetivo.Mas o fará no efêmero espaço do faz de conta judicial em que pretende circunscrever a história. O mundo real, que o photoshop tenta desesperadamente congelar, esse já ruiu.

Carta Capital: o valerioduto abasteceu Gilmar. E agora, José?

Chamada de capa da revista Carta Capital que está nas bancas desde sábado 28, levanta denúncia de que o ministro do STF Gilmar Mendes teria recebido R$185 mil do mensalão tucano de Minas, que desviou verbas para a campanha dos aliados de FHC (à época presidente e candidato à reeleição) e Eduardo Azeredo (à época governador) em Minas e no Brasil.

 Leia na Carta Capital.
A Carta Capital mostra uma lista inédita de beneficiários do caixa 2 da campanha à reeleição do então governador Eduardo Azeredo em 1998. O esquema foi operado pelo publicitário Marcos Valério de Souza, que assina a lista, registrada em cartório.

O agora ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes aparece entre os beneficiários. Mendes teria recebido 185 mil reais. Há ainda governadores, deputados e senadores na lista. Entre os doadores, empresas públicas e prefeituras proibidas de fazer doações de campanha. O banqueiro Daniel Dantas também aparece como repassador de dinheiro ao caixa 2.

A documentação foi entregue à Polícia Federal pelo advogado Dino Miraglia Filho, de Belo Horizonte. Ele defende a família da modelo Cristiana Aparecida Ferreira, assassinada em 2000. Segundo Miraglia, a morte foi “queima de arquivo”, pois a modelo participava do esquema e era escalada para transportar malas de dinheiro. Na lista, Cristiana aparece como destinatária de 1,8 milhão de reais.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Dia 2 começa o julgamento do mensalão do PT. E quando vai começar o do mensalão do PSDB, que se arrasta desde 1998 e a velha mídia esconde?

Sexta-feira de julho, férias escolares quase chegando ao fim e já vem agosto. Dia 2 começa o julgamento do "mensalão do PT".E quando começa o julgamento do mensalão do PSDB, que é bem mais antigo, é de 1998?
Essa é a pergunta que faz o jornalista Ricardo Kotscho em seu blog Balaio.
Bom final de semana, divirtam-se, curtam bem o sol e as prais, dirijam com cuidado e até segunda!
Começa no próximo dia 2 de agosto, no Supremo Tribunal Federal, o julgamento do chamado "mensalão do PT". Muito justo: afinal, o caso já se arrasta desde de 2005 e nós estamos em 2012. Estava na hora.
Por falar nisso, pergunto: e quando vai ser julgado o "mensalão tucano", rebatizado pela grande imprensa de "mensalão mineiro", que é bem mais antigo e vem se arrastando desde 1998?
Para se ter notícias do "mensalão do PT", basta abrir qualquer jornal ou revista, ligar o rádio ou a televisão, está tudo lá diariamente, contado em caudalosas reportagens nos mínimos detalhes, comprovados ou não.
Já o "mensalão tucano" foi simplesmente escondido pela mídia reunida no Instituto Millenium, que não quer nem ouvir falar no assunto. Quem quiser saber a quantas anda o processo que dormita no Supremo Tribunal Federal precisa acessar aquilo que o tucano José Serra chama de "blogs sujos".


Foi o que eu fiz ao entrar no Google, que registra 508 mil citações sobre o "mensalão tucano", a grande maioria publicada em blogs, enquanto o "mensalão do PT", embora mais recente, já alcance 3.720.000 matérias publicadas.
Sob o título "Mensalão tucano e silêncio da mídia", o blog de Altamiro Borges tratou do asunto no último dia 10 de junho:
"Na quarta-feira passada (6), finalmente o Supremo Tribunal Federal decidiu incluir na pauta o debate sobre o "mensalão tucano", o esquema utilizado patra alimentar a campanha pela reeleição do governador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) em 1998. A mídia, porém, não deu qualquer destaque ao assunto. Algumas notinhas informaram apenas que o "mensalão mineiro" também será julgado em breve _ a imprensa demotucana evita, por razões óbvias, falar em mensalão tucano".
Quer dizer, 14 anos depois, o STF decidiu colocar na pauta e vai começar a debater o "mensalão tucano". Nem se pensa ainda em marcar uma data para o julgamento, ao contrário do que aconteceu com o "mensalão do PT", que virou um caso de vida ou morte para a mídia e precisa porque precisa ser julgado _ e todo mundo condenado _ antes das eleições de outubro. Altamiro explica:
"O caso é bastante emblemático. Ele serve para comprovar a seletividade da chamada grande imprensa. O escândalo surgiu bem antes das denúncias contra o PT. A própria Procuradoria-Geral da República, ao encaminhar o caso ao STF, em novembro de 2007, afirmou que o esquema foi "a origem e o laboratório" do mensalão do PT. Ele teria sido armado pelo mesmo publicitário Marcos Valério, que montou o famoso "valerioduto" para financiar campanhas eleitorais com recursos públicos e doações de empresas privadas".
Muitos anos antes, em 2 de outubro de 2007, meu velho amigo Carlos Brickmann, jornalista dos bons que pode ser acusado de tudo, menos de ser petista, já tinha tocado no mesmo assunto em sua coluna "Circo da Notícia", publicada no Observatório da Imprensa. Sob o título "Quando a polícia abre o baú da imprensa", Brickmann escreveu:
"Que o mensalão começou em Minas Gerais, até os fios de cabelo de Marcos Valério sabiam. A primeira investida do esquema beneficiou o governador tucano Eduardo Azeredo, candidato à reeleição (perdeu para Itamar Franco). A imprensa até que deu a notícia, embora discretamente. E esqueceu o assunto".
(...) "Pois é: há asuntos que entram na moda, há assuntos que não há força humana capaz de colocá-los na mídia. Tudo bem, vai ver que o mundo é assim. Mas precisava transformar o mensalão tucano, na imprensa, em mensalão mineiro?"
Dias atrás, o Blog do Mello resgatou trecho de uma entrevista com Eduardo Azeredo publicada pela "Folha" em 2007 na qual podem estar os motivos para esta preferência da mídia tratar furiosamente do  "mensalão do PT" e deixar de lado o chamado "mensalão mineiro":
Folha _ A Polícia Federal diz que houve caixa dois na sua campanha...
Eduardo Azeredo _ Tivemos problemas na prestação de contas da campanha, que não era só minha, mas de partidos coligados, que envolvia outros cargos, até mesmo de presidente da República.
Folha _ O dinheiro da sua campanha financiou a de FHC em Minas?
Azeredo _ Sim, parte dos custos foram bancados pela minha campanha. Fernando Henrique não foi a Minas na campanha por causa do Itamar Franco, que era meu adversário, mas tinha comitês bancados pela minha campanha.
Fundador do PSDB e presidente do partido quando o escândalo estourou, Eduardo Azeredo conseguiu desta forma o apoio irrestrito dos tucanos de bico grande que cuidaram de tirar o assunto da mídia.
A acusação central de que o PT usou dinheiro público para comprar o voto de parlamentares no Congresso foi derrubada pelo Tribunal de Contas da União, como informou Marta Salomon, em nota publicada no portal Estadão.com, às 22h15 desta quinta-feira:
"O Tribunal de Contas da União considerou regular o contrato milionário da empresa de publicidade DNA, de Marcos Valério Fernandes de Souza, com o Banco do Brasil. O contrato é uma das bases da acusação da Procuradoria-Geral da República contra o empresário mineiro no julgamento do mensalão, marcado para agosto". Mais adiante, a matéria lembra:
"De acordo com a Procuradoria-Geral da República, contratos das agências de publicidade de Marcos Valério com os orgãos públicos e estatais serviam de garantia e fonte de recursos para financiar o esquema de pagamentos a políticos aliados do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva".
Não encontrei esta notícia na edição impressa da "Folha" de hoje, que publica matéria sobre a defesa apresentada por Delúbio Soares, tesoureiro do PT na época: "Delúbio dirá a STF que não houve compra de deputado".
Se e quando o STF finalmente marcar o julgamento do "mensalão tucano", vamos ver o que Eduardo Azeredo terá a dizer e se a imprensa vai lembrar do que ele falou nesta entrevista de 2007.
Podem até querer esquecer esta história, mas o Google lembra. Está tudo lá.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Serra tem pavor da blogosfera. Entenda as tucanas e antidemocráticas razões

Depois de uns poucos dias de pausa, o blog volta hoje à ativa. E o Serra no papel de censor da blogosfera, no topo do twitter e blogs. Talvez, para esconder a alta rejeição de quase 40%. E para perseguir a nova mídia  escrita por blogueiros que ele chamou de "blogs sujos" "nazistas" e "robôs".Serra tem pavor da blogosfera, pois forma os blogueiros progressistas que desmascararam a farsa criada na campanha de 2010 de que uma bolinha de papel atirada na cabeça dele, quase o teria colocado a nocaute. A versão do desmaio foi passado ao país pela velha mídia e viraria verdade, não fosse a atuação militante da blogosfera.


Serra tem pavor da blogosfera e tem razões para temê-la, como conta o jornalista Leandro Fortes no artigo a seguir, publicado na Carta Capital desta semana. 



 A blogosfera e as redes sociais são o calcanhar de Aquiles de José Serra, e não é de agora. Na campanha eleitoral de 2010, o tucano experimentou, pela primeira vez, o gosto amargo da quebra da hegemonia da mídia que o apóia – toda a velha mídia, incluindo os jornalões, as Organizações Globo e afins. O marco zero desse processo foi a desconstrução imediata, online, da farsa da bolinha de papel na careca do tucano, naquele mesmo ano, talvez a ação mais vexatória da relação imprensa/política desde a edição do debate Collor x Lula, em 1989, pela TV Globo. Aliás, não houvesse a internet, o que restaria do episódio do “atentado” ao candidato tucano seria a versão risível e jornalisticamente degradante do ataque do rolo de fita crepe montado às pressas pelo Jornal Nacional, à custa da inesquecível performance do perito Ricardo Molina.

A repercussão desse desmonte midiático na rede mundial de computadores acendeu o sinal amarelo nas campanhas de marketing do PSDB, mas não o suficiente para se bolar uma solução competente nas hostes tucanas. Desmascarado em 2010, Serra reagiu mal, chamou os blogueiros que lhe faziam oposição de “sujos”, o que, como tudo o mais na internet, virou motivo de piada e gerou um efeito reverso. Ser “sujo” passou a ser um mérito na blogosfera em contraposição aos blogueiros “limpinhos” instalados nos conglomerados de mídia, a replicar como papagaios o discurso e as diatribes dos patrões, todos, aliás, alinhados à campanha de Serra.

Ainda em 2010, Serra tentou montar uma tropa de trolls na internet comandada pelo tucano Eduardo Graeff, ex-secretário-geral do governo Fernando Henrique Cardoso. Este exército de brucutus, organizado de forma primária na rede, foi facilmente desarticulado, primeiro, por uma reportagem de: CartaCapital, depois, por uma investigação do Tijolaço.com, blog noticioso, atualmente desativado, do ministro Brizola Neto, do Trabalho.

Desde então, a única estratégia possível para José Serra foi a de desqualificar a atuação da blogosfera a partir da acusação, iniciada por alguns acólitos ainda mantidos por ele nas redações, de que os blogueiros “sujos” são financiados pelo governo do PT para injuriá-lo. Tenta, assim, generalizar para todo o movimento de blogs uma realidade de poucos, pouquíssimos blogueiros que conseguiram montar um esquema comercial minimamente viável e, é preciso que se diga, absolutamente legítimo.

Nos encontros nacionais e regionais de blogueiros dos quais participo, há pelo menos três anos, costumo dar boas risadas com a rapaziada da blogosfera que enfrenta sozinha coronéis da política e o Poder Judiciário sobre essa acusação de financiamento estatal. Como 99% dos chamados blogueiros progressistas (de esquerda, os “sujos”) se bancam pelo próprio bolso, e com muita dificuldade, essa discussão soa não somente surreal, mas intelectualmente desonesta. Isso porque nada é mais financiado por propaganda governamental e estatal do que a velha mídia nacional, esta mesma que perfila incondicionalmente com Serra e para ele produz, não raramente, óbvias reportagens manipuladas. Sem a propaganda oficial do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e da Petrobras, todos esses gigantes que se unem para defender a liberdade de imprensa e expressão nos convescotes do Instituto Millenium estariam mendigando patrocínio de açougues e padarias de bairro para sobreviver.  

Como nunca conseguiu quebrar a espinha dorsal da blogosfera e é um fiasco quando atua nas redes sociais, a turma de Serra tenta emplacar, agora, a pecha de “nazista” naqueles que antes chamou de “sujo”. É uma estratégia tão primária que às vezes duvido que tenha sido bolada por adultos.

Um candidato de direita, apoiado pelos setores mais reacionários, homofóbicos, racistas e conservadores da sociedade brasileira a chamar seus opositores de nazistas. Antes fosse só uma piada de mau gosto.

sábado, 21 de julho de 2012

ESCLARECIMENTO À POPULAÇÃO DE IPIXUNA DO PARÁ




Carta do Prefeito Evaldo Cunha do PT.


Legitimamente eleito pelo povo de Ipixuna do Pará.

Meus companheiros e companheiras, nossos adversários, o prefeito tucano que não foi eleito pelo povo, mas que hoje está na prefeitura, pagaram recentemente uma matéria no jornal O Liberal para enganar a nossa população, enganar aos funcionários públicos e às autoridades estaduais. Os motivos, querem sair de coitadinhos quando se negarem a pagar os transportes escolares, nossos funcionários, fornecedores e o principal, fazerem seus caixas de campanha com o dinheiro dos trabalhadores e prestadores de serviços públicos sem que estes cobrem os seus enganadores, pois a culpa seria jogada ao ex prefeito Evaldo Cunha, o que foi eleito nas urnas pelo povo. Ocorre que esta ultrapassada prática se destrói com o que estou fazendo agora; o governo do PT de Ipixuna desenvolveu um modelo de gestão respaldado nos princípios democráticos e participativos, onde a população além de participar da elaboração de nossos projetos e programas de governo, acompanha e monitora a execução dos mesmos através dos encontros de lideranças promovidos pelo executivo para prestar contas do que está ou não fazendo pelo município.

O governo do Prefeito Evaldo Cunha no decorrer de toda sua administração sempre honrou com o pagamento do funcionalismo público em dias, bem como, com o pagamento dos transportes escolares que a atual gestão, não pagou neste mês de julho, e fala ainda que pode atrasar o pagamento do funcionalismo público. Por estes motivos, venho esclarecer ao povo ipixunense, em resposta às calúnias, difamações e falsas alegações que o governo do PSDB de Ipixuna do Pará, adversários da nossa população, vem fazendo, após tomarem a prefeitura e o comando do município. 

Que o atual prefeito e sua equipe, mentem desavergonhadamente quando dizem que o prefeito Evaldo Cunha teria sacado (saques) dos cofres da prefeitura, mais de um milhão de reais e deixado um “rombo” na prefeitura municipal; esta prática senhoras e senhores já foi totalmente extinta pelos próprios tribunais, que determina que os agentes públicos que efetuarem saques de dinheiro público, principalmente os de grandes valores, responderão em juízo, podendo inclusive ser presos de imediato, bastando a comprovação do ato através dos extratos bancários.
Meus companheiros e minhas companheiras, para aqueles que querem enganar, furtar ou não cumprir com os compromissos, que são de sua obrigação como agentes públicos, é conveniente aos nossos adversários darem esta desculpa esfarrapada à nossa população e aos prestadores e funcionários municipais; sabemos muito bem que o que eles estão fazendo é mentindo para engordarem seus caixas para suas campanhas e pagarem suas dívidas com os agiotas utilizando o dinheiro público, ou alguém acha mera coincidência, eles cassarem o prefeito eleito nas urnas pelo povo, em pleno período de campanha e a menos de três meses para o dia da eleição? A verdade é que os tucanos pensavam que tomando a prefeitura, conseguiriam juntar dinheiro e ferramentas para nos derrotar nas urnas, realizando suas típicas práticas eleitoreiras, comprando votos com cestas básicas, tíquetes de pão, distribuindo melancia, materiais de construções e outras coisas mais. 

O que eles não contavam é que nossa população não concordaria mais com este modelo de gestão opressor, que cala as pessoas, que as impedem de reclamar algo de errado no governo ou na cidade, que usa a polícia para bater, atirar, prender e violentar pessoas inocentes quando estas lutam por seus direitos. Não conheciam a dimensão de uma gestão séria e compromissada com sua população que por muitas vezes obrigou-se a reduzir suas despesas a ter que demitir funcionários, a sacrificar investimentos a ter que atrasar o pagamento da folha de pessoal, dos transportes e prestadores de serviços. Relembro que há oito anos não tínhamos sequer 400 funcionários, hoje são aproximadamente 1.500 funcionários. Nossa folha de pagamento saltou, em oito anos, de menos de Quatrocentos Mil Reais para mais de Dois Milhões de Reais e ressalto que respeitamos a lei de responsabilidade fiscal.

Quero através deste, informar ao povo ipixunense dos recursos deixados por mim em conta, no dia 10 de julho de 2012:

CONTA FOLHA – GUARDA MUNICIPAL R$ 124.379,45 (Deixamos em Conta)
CONTA PROMOÇÃO SOCIAL R$ 42.600,00 (Deixamos em Conta)
ARRECADAÇÃO R$ 18.843,00 (Deixamos em Conta)
ICMS R$ 30.000,00 (Deixamos em Conta)
PNATE ( transporte escolar) R$ 36.253,71 (Deixamos em Conta)
CONTA EDUCAÇÃO AG 4876-3 C/C 8211 R$ 808.413,81 (Deixamos em Conta)
C/C 21715-8 – REFORMA UNID. DE SAÚDE R$ 11.970,00 (Deixamos em Conta)
C/C 21716-6 – REFORMA UNID. DE SAÚDE R$ 12.571,00 (Deixamos em Conta)
C/C 21717-4 – REFORMA UNID. DE SAÚDE R$ 14.285,00 (Deixamos em Conta)
C/C 21718-2 – REFORMA UNID. DE SAÚDE R$ 33.015,00 (Deixamos em Conta)
C/C 21719-0 – REFORMA UNID. DE SAÚDE R$ 14.453,00 (Deixamos em Conta)
C/C 21720-4 – REFORMA UNID. DE SAÚDE R$ 33.240,00 (Deixamos em Conta)
C/C 8309-7 – ACADEMIA AO AR LIVRE R$ 20.865,00 (Deixamos em Conta)
19965-6 MAC - Média e Alta Complexidade R$ 28.120,00 (Deixamos em Conta)
CONTA EDUCAÇÃO AG 4876-3 C/C 642254 R$ 802.141,58 (Deixamos em Conta)
TOTAL R$ 2.031.150,55 DEIXADOS EM CONTA

Todos sabem que os recursos entram nas contas da prefeitura a partir do dia 10 de cada mês e que até o dia 30/07/2012 entrará, a mais, nas contas da prefeitura, os seguintes recursos e seus respectivos valores:
FPM R$ 598.401,79
ICMS R$ 420.000,00 JÁ RECEBIDO PELOS TUCANOS
ISS R$ 67.837,39 JÁ RECEBIDO PELOS TUCANOS
SOCIAL R$ 42.600,00
ICMS DESONERAÇÃO R$ 4.500,00
FUNDEB R$ 958.000,00
(AFB) + (PAB) + (FUS) R$ 319.082,50 JÁ RECEBIDO PELOS TUCANOS
FEP R$ 23.391,80
CID R$ 18.837,15
ILUMINAÇÃO R$ 16.380,00
ITR R$ 1.843,00
PNATE R$ 36. 253,71
ARRECADAÇÃO R$ 18.843,00
TOTAL R$ 2.527.474,99 RECEBERÃO A MAIS ATÉ 30/07

Previsão total para o mês de JULHO:
FPM R$ 942.184,56
ICMS R$ 420.000,00
CFEM R$ 282.479,63
ISS R$ 192.216,84
SOCIAL R$ 42.600,00
ICMS DESONERAÇÃO R$ 4.500,00
FUNDEB + COMP DA UNIÃO R$ 1.702.781,00
FEP R$ 23.391,80
CID R$ 18.837,15
ILUMINAÇÃO R$ 16.380,00
ITR R$ 1.832,07
PNATE R$ 36. 253,71
ARRECADAÇÃO R$ 18.843,00
TOTAL R$ 3.702.263,76

O Sr José Enrolando (PSDB), o que não foi eleito nas urnas, mas que hoje está na prefeitura, cita na matéria que ele mesmo pagou para os jornais: abre aspas, “Que ele ( Evaldo) deixou apenas alguns trocados nas contas da prefeitura. Agora minha principal preocupação é conseguir pagar pelo menos a folha de pagamento deste mês” fecha aspas, palavras dele mesmo (Zé) para o jornal que ele pagou para enganar o povo.

Comprovo acima, no primeiro quadro, senhoras e senhores, que os alguns trocados de que ele fala são, nada mais nada menos, que R$ 2.031.150,55 (Dois Milhões, Trinta e Um Mil, Cento e Cinquenta Reais e Cinquenta e Cinco Centavos) que nós deixamos em conta, temos os comprovantes para qualquer funcionário que queira tirar suas dúvidas, qualquer prestador de serviços, qualquer cidadão ou qualquer vereador, ressalto que não estou fazendo nenhum favor a ninguém, apenas disponibilizando informações que já são públicas e que duvido, de acordo com o perfil da atual gestão do PSDB de Ipixuna, jamais disponibilizarão seus extratos ou saldos como nós estamos fazendo. Todos os pagamentos que realizamos obedeceram a critérios e programações de pagamentos definidos pela nossa gestão, respeitando principalmente os processos licitatórios realizados pela Comissão de Licitações. Não efetuamos nenhum saque e desafio o atual prefeito a mostrar para a população os extratos do dia 10 que comprovam algum saque dos recursos da prefeitura efetuados por mim ou qualquer outro secretário de meu governo. Como diz o ditado, no governo do PT “A gente mata a cobra e mostra o pau”, e quem não deve nunca teme!
Do contrário a cidade inteira já está sabendo que quantias grandiosas já foram sacadas pelo prefeito tucano que mal assumiu e já está pagando suas dívidas com agiotas e empresários que bancaram a tomada da prefeitura de forma violenta, como se faz em um golpe militar, mas que agora eles começam a cobrar suas faturas.
POPULAÇÃO IPIXUNENSE ABRA O OLHO! POR QUE OS TUCANOS VÃO TENTAR TE ENGANAR! EU EVALDO CUNHA ESTOU ME EMPENHANDO PARA CONQUISTAR O QUE NOS FOI TIRADO NA FORÇA E NA MARRA, CREIO QUE AS URNAS DEMONSTRARÃO A IPIXUNA DO PARÁ QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE À LUTA E QUE A VONTADE DO POVO, A JUSTIÇA NÃO DEVE MUDAR!

Alfredo vai ao 2º turno. E o blog faz uma pequena pausa.

Estive ontem no Ver-O-Peso caminhando com nosso candidato a prefeito, companheiro Alfredo e a militância petista. Contatei o abandono de nosso cartão postal pelo atual prefeito, Duciomar: lonas sujas e rasgadas, lixo, insegurança. O Solar da Beira mal cuidado e esvaziado. Uma rápida fotografia do Ver-o-Peso na terrível gestão do Dudu.
 
Durante o percurso e conversa com feirantes, recebi muitos apelos para retornarmos com a administração que fizemos no Ver-o-Peso qaundo estivemos à frente da Secretaria de Economia de Belém.

Saí da caminhada com a firme convicção que vamos ao segundo turno, pois temos Partido, militância e aliança forte com a sociedade.

Depois da caminhada, fui a Santa Maria do Pará, com pref. Marifrança e entreguei sistema de abastecimento de água para 60 famílias. De hoje até quarta-feira, o blog faz uma pausa. Julho, férias e redação do blog precisa tirar um descanso.

Bom final de semana e confira no quadro abaixo a agenda do companheiro Alfredo! Até a próxima quinta-feira.

Agenda do Alfredo em Belém

Agenda do nosso candidato a prefeito de Belém.
No Ver-O-Peso, muitos pedidos de feirantes para que o PT retorne logo ao governo de  Belém.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Amanhã, a campanha com Alfredo é no Ver-O-Peso, a partir das 8 horas

Estarei amanhã no Ver-o-Peso caminhando junto com o nosso candidato a prefeito, Alfredo Costa e o vice, companheiro Arroyo. A concentração é no Solar da Beira, às 8 horas. Vamos lá, avermelhar Belém a partir do Ver-O-Peso!

quarta-feira, 18 de julho de 2012

A insegurança pública é apenas "sensação de insegurança", é impressão, diz o linguajar tucano do governo do Pará

A maquiagem das estatísticas, declarações oficiais e a propaganda enganosa do governo tucano de Jatene, estão querendo mostrar o que não existe em canto algum do Estado: segurança pública no Pará. 

O governo age (?) como se a população fosse lesa!
 
Sobre o assunto, deixo aqui o que diz o excelente blog da Franssinete:

Quem for assaltado, estuprado, sequestrado, feito refém ou sofrer qualquer tipo de violência no Pará vá tratando de esfregar os olhos ou procurar um psiquiatra. É que deve estar tendo um pesadelo ou um surto psicótico. Aliás, existe tratamento para alucinação coletiva? Vou procurar saber para indicar o endereço.

É que hoje, em entrevista coletiva, na Delegacia Geral, o secretário adjunto de Inteligência e Análise Criminal de Segurança Pública e Defesa Social, Antônio Farias, apresentou mais uma das famosas estatísticas do governo do Estado.

Pois anotem aí: só nesta primeira quinzena, a operação “Verão na Paz, é a gente que faz”, deflagrada no último dia 29, reduziu os crimes em 27,6%.

"Nos 79 municípios a que levamos reforço no policiamento, há uma queda na faixa de 48% na criminalidade, se consideramos apenas os fins de semana. Nos 20 municípios e distritos onde há maior movimento de veranistas, como Salinas, Bragança e Mosqueiro, a redução chega a 45,7%. Trabalhamos com a redução da violência, e os números indicam isso de forma muito clara. São expressivos, mas o trabalho continua”, garantiu o adjunto da Segup.

Disse mais. Que em Salinas a queda da criminalidade neste mês foi de 55,14%. Em Bragança, de 34,74%, nos distritos de Mosqueiro (56,05%) e Outeiro (42,86), assim como em Salvaterra (14,29%) e Soure (30%), no arquipélago do Marajó.

Acreditem se quiserem. E não fiquem imaginando coisas.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Leitor garante: a SEGUP não tem 20 mil homens para o verão

AnônimoContestando a informação dada pelo governo Jatene que há 20 mil servidores trabalhando na segurança pública neste verão, anônimo propõe o jogo pega tucano na mentira e mais na postagem A insegurança pública no Pará já passou da conta faz tempo! :
 
Anônimo disse...
Deputado, eu sei que a coisa é muito séria, mas vamos brincar de pega tucano na mentira.

Basta Vossa Excelência solicitar o contigente atual da Segurança Pública do Estado e saberemos que jamais, em tempo algum, a SEGUP poderia disponibilizar 20 mil homens para o verão. Nós não temos 20 mil homens na SEGUP.

Vamos desmentir esse canalha do Secretário de Segurança Pública, mas tem que ser logo, senão eles tiram a propaganda do ar.

João Mentiroso Fernandes Jatene

Minhas condolências às famílias que perderam seus entes queridos no desastre do Paraná


Fico imaginando a dor das famílias que perderam seus filhos, amigos, entes queridos  nesse terrível desastre no Paraná, ocorrido ontem. É uma dor sem tamanho e sem palavras. Jovens que saíram de Belém no sábado para um congresso de computação em Curutiba-PR, buscando uma qualificação e que perdem a vida de forma tão trágica e dolorosa.

Minhas condolências, meus sentimentos aos que perderam seus familiares.




Segurança pública no Pará é miragem ou artigo de vitrine

A ótima charge do Waldez resume bem o que é a segurança pública no Pará e em Belém: um artigo de vitrine e só.

O governo Jatene informa que colocou nas praias 20 mil policiais. Mas o efetivo da Polícia Militar é de 12 mil pm's e o da Polícia Civil, de 6 mil policiais. Somando tudo, dá 18 mil e não os 20 mil alardeados na propaganda tucana.

Ora, se todo o efetivo está nas praias, Belém está completamente largada. E os municípios sem praia, também. Então, cadê a segurança pública?

Que desgoverno é esse?


sábado, 14 de julho de 2012

A insegurança pública no Pará já passou da conta faz tempo!

Denuncio faz tempo, neste blog e na tribuna da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), o quanto o Pará está carente de segurança pública. E que de nada adiantar o governo Jatene maquiar estatísticas ou fazer propaganda mostrando uma segurança pública que está longe de existir. O povo do Pará está sem segurança pública. Isso é fato. Como é fato também o que conta  jornalista Franssinete Florenzano em seu blog.

Leia no blog da Franssinete:
 
A Secretaria de Segurança Pública do Pará precisa combinar com a bandidagem suas estatísticas acerca da drástica redução da violência, porque o que a população vê é a intensificação dela. Ninguém se sente seguro nas ruas e nem em casa. Em Salinas, só agora no veraneio, duas residências já foram invadidas por homens armados que, além de assaltar, espancaram as vítimas.

Hoje mesmo, em Belém, em um estabelecimento comercial que alinha direção e balanceia pneus de veículos, na Rua dos Pariquis esquina com a Tv. Quintino Bocaiúva, um jovem de 20 anos chegou de bicicleta, armado com revólver, fez refém um PM, cliente do local, que estava à paisana e desarmado,  e limpou 4 homens que estavam lá. E ainda deixou o local pedalando, levando as chaves do carro do militar, para não ser perseguido.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Blog do Hiroshi: Para que servem os tribunais eleitorais?

Publico aqui o texto do jornalista e blogueiro Hiroshi Bogéa que, assim como eu, se espanta com a decisão do TRE-Pa em cassar 3 prefeitos, os 3 do PT: Evaldo, de Ipixuna do Pará; Álvaro Brito, de Conceição do Araguaia e Maria do Carmo, de Santarém.


A pergunta se faz necessária diante do festival de cassações de mandatos de prefeitos, em fim de mandato,  assinadas pelo TRE-Pará.

Ora, ora, direis  ouvir estrelas, parodiando Bilac (*),  com o sentido de entender nefastas decisões – mas o bom senso força à pergunta por que somente agora, faltando seis meses para os caratonhas entregarem seus cargos, o egrégio tribunal decide punir quem faz safadeza para conseguir um mandato?

As consequências de decisões extemporâneas são desastrosas na vida das cidades, desingrigola tudo, porque quem assume, em fim de festa, não tem mais nenhum compromisso em administrar o que resta de mandato do cassado, pode até piorar o mundo dos mundos no afã de tentar ajudar a eleger algum candidato de sua predileção.

Em uma semana, cassaram  três prefeitos ( Conceição, Ipixuna e, agora, Santarém), coincidentemente, do PT, levantando a grave suspeição em bocas atormentadas pela dúvida que os atos causaram.
Independente de qual partido pertence o gabiru cassado, a questão é outra: por que a justiça eleitoral não se manifestou em tempo hábil?
————
(*) -  Olavo Bilac, um dos mais consagrados poeta brasileiros:

“Ora ( direis ) ouvir estrelas!
Certo, perdeste o senso!
E eu vos direi, no entanto
Que, para ouví-las,
muitas vezes desperto
E abro as janelas, pálido de espanto”.

Maria do Carmo, prefeita de Santarém, eleita democraticamente com mais de  77 mil votos e cassada pelo TRE-Pa. Assim como o prefeito Evaldo, de Ipixuna do Pará e o prefeito Álvaro Brito, de Conceição do Araguaia. Os 3 do PT. Foto: Rozinaldo Garcia
Do advogado da prefeita Maria do Carmo/Santarém, publicado no Blog do Jeso: 
Trata-se de mais uma tentativa do DEM de retirar o mandato da prefeita Maria do Carmo, que foi democraticamente eleita pelo povo com mais de 77 mil votos.