sábado, 30 de junho de 2012

Convenção petista referenda Professor Alfredo candidato a prefeito de Belém. E Dilma não para de crescer!

 Em grande estilo e com a força e  a garra da militância petista, o PT-Belém fez sua convenção ontem à noite na sede do Paysandu. 

Professor Alfredo é nosso candidato a prefeito e a chapa de candidatos a vereadores quase 60 bravos companheiros e companheiras que disputarão vagas na Câmara Municipal de Belém.
Começa valendo a campanha para prefeitos, prefeitas, vereadores e vereadoras. E começa em ótimo momento, quando as pesquisas mostram que a nossa presidenta Dilma, do PT, não para de crescer e atinge o maior índice de aprovação!
Bom sábado e bom final de semana!
Mais de 2.500 militantes petistas estiveram presentes na convenção do PT-Belém que referendou Alfredo Costa como candidato a prefeito de Belém.

 Perfil político do nosso candidato a prefeito, Professor Alfredo
Dep.fed Miriquinho, Paulo Rocha (pte de honra do PT.Pa), Apolônio (pte. PT-Belém), Alfredo Costa, eu, João Batista (pte PT.Pa), Ana Júlia e o companheiro dep est. Valdir Ganzer.
 
Em convenção, o PT oficializou ontem à noite, na sede do Paysandu, em Belém, os seus candidatos a cargos majoritário e proporcional. São quase 60 candidatos a vereador e o candidato a prefeito, o atual deputado estadual Alfredo Costa.

Alfredo Costa.nasceu em Acará, mas sua família mudou para Belém quando ele ainda era criança. Tem 46 anos de idade, é biólogo, formado pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e Mestre pelo Núcleo de Medicina Tropical da UFPA. Professor da Universidade do Estado do Pará (UEPA) e ex-professor da UFPA. Leciona também para o ensino médio e em cursos preparatórios ao exame de vestibular.
 
Alfredo Costa é filiado ao PT desde a década de 80, por onde saiu candidato a vereador de Belém e foi eleito em três legislaturas consecutivas, iniciadas no ano 2000 até abril de 2012, quando renunciou ao mandato para poder assumir o cargo de deputado estadual na Assembleia Legislativa.

Sua trajetória política começou na década de 80, no Movimento Popular, como liderança da Comunidade de Base do Jurunas. Foi também presidente do Grêmio Estudantil do Colégio Paes de Carvalho, onde participou ativamente da luta pela meia passagem, em Belém.

Como vereador, Alfredo apresentou cerca de 20 projetos de lei à Câmara Municipal, contemplando questões das áreas de saúde, saneamento, meio ambiente, transporte, educação e direitos do cidadão, destacando-se a proposta de proibição do corte de fornecimento de água e energia elétrica no município de Belém às sextas-feiras, sábados, domingos e vésperas de feriados.

Como deputado estadual, apresentou projetos propondo o pagamento do horário-janela aos professores da rede pública; que obriga as empresas fornecedoras de água e energia a comunicar, com 15 dias de antecedência,qualquer interrupção no serviço; e a instituição da Semana da Educação Ambiental nas escolas públicas.

Alfredo Costa propôs e realizou audiências públicas para tratar da questão do abastecimento de água em Icoaraci e para a instalação de um campus universitário na ilha de Mosqueiro.

É autor do artigo “Orçamento Participativo em Belém”, publicado no livro “Democratização do Parlamento – Alargando as Fronteiras da Representação e da Participação Política”, da Fundação Perseu Abramo, São Paulo, 2005. (Fonte: assessoria de imprensa do PT)

 ***

A popularidade da presidenta Dilma não para de subir. É o que atesta a pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) ao Ibope e divulgada nesta sexta-feira. O índice de pessoas que consideram a gestão ótima ou boa era de 56% em março e subiu para 59% em junho. É o maior percentual registrado desde o início do governo.
A pesquisa aponta que a política econômica do governo Dilma puxou o aumento da aprovação. Isso é comprovado quando se analisa a avaliação por áreas. As três que apresentaram melhora são a de taxa de juros (cujo índice de aprovação subiu de 33% em março para 49% em junho), a de combate à inflação (passou de 42% para 46%) e impostos, que aumentou de 28% para 31%.
- Mudou a popularidade pessoal da presidente Dilma. Aparentemente, porque a população está gostando das medidas econômicas. São as notícias mais citadas pela população. Como a queda dos juros e de tributos – disse Renato da Fonseca, gerente executivo de pesquisas da CNI.

Cresce expectativa
De acordo com a pesquisa, a aprovação pessoal da presidente manteve-se estável em 77%. A avaliação sobre a expectativa do restante do governo subiu, de 58% para 61%. As áreas mais bem avaliadas foram combate à fome e à pobreza, com 57% de aprovação, meio ambiente (55%) e combate a desemprego (53%).
Um dos pontos que chama também atenção na pesquisa é que a aprovação de Dilma cresceu entre os setores da população com renda mais elevada. Este segmento adota uma visão em que diferencia Dilma de Lula, aprovando mais o governo da presidenta.
Do ponto de vista geográfico, a aprovação de Dilma continua sendo maior no Nordeste e menor no Sul. Em comparação ao governo Lula, mais da metade da população (58%) acredita que o governo dos dois é igual, 24% acreditam que é pior. 16% consideram o atual governo melhor que o anterior.
A pesquisa foi realizada entre 16 e 19 de junho. O Ibope ouviu 2.002 eleitores com 16 anos ou mais em 141 municípios. A pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. (Fonte: Correio do Brasil)

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Sexta-feira com muitas emoções e muitas festas, a começar pela convenção do PT Belém

Como anunciei antes, estive na convenção do PT de Mãe do Rio que homologou a candidatura de Badel à prefeitura. E de nada adiantou a manobra das forcas conservadoras em Mãe do Rio, pois não conseguiram frear  o crescimento de Badel e a mudança se aproxima. A chapa é muito boa e a candidata a vice de Badel , a professora  Izabel Rainha, do PTdoB, foi secretária de educação de Mãe do Rio.

De Mãe do Rio segui para Tracuateua, quando participei da convenção do PT e partidos aliados que lançaram Nelson Pinheiro, do PSD, à reeleição em Tracuateua.

E hoje, sexta-feira 29, às 17 horas, na sede do Paysandu, a convenção do PT Belém que referenda a vontade do PT expressada nas prévias; Alfredo Costa para prefeito.

À noite tem duas boas festas juninas:às 19 horas, a SDDH faz uma grande festa na sede da entidade, na Av. Gov José Malcher 1381, entre 14 de Março e Generalíssimo. Vai ser da pesada esta festa.

E a partir das 20 horas, o Bumba Bancário, festa junina do Sindicato dos Bancários. Será no Red Blue, na Trav. Pe. Eutíquio 606, entre Aristides Lobo e Ó de Almeida.
É hoje a convenção do PT Belém.
Às 19 horas, grande festa da SDDH.


E a partir das 20 h, a festa dos bancários.


quinta-feira, 28 de junho de 2012

Hoje é a posse da direção da CUT-Pará e a reunião deliberativa da Fetagri. Movimentos debatem municípios sustentáveis e trabalho decente

Nesta quinta-feira 28, acontece a posse festiva da nova direção da CUT-Pará. Será às 20 horas, na sede campestre do Stiapa - Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Alimentação do Pará.

Parabéns à nova direção da nossa valorosa Central Única dos Trabalhadores e Trabalhadoras - CUT!

E parabéns também à Fetagri - Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará, que debate hoje  e amanhã a organização e encaminhamentos de luta dos trabalhadores familiares de todo o Pará.
  • Começa hoje e vai até sexta-feira 29, em Belém, no hotel Itaoca, o Seminário Regional "Municípios Sustentáveis e Trabalho Decente", que tem como objetivo debater a questão socioambiental, envolvendo diferentes atores sociais (entidades sindicais, Ong’s, institutos de pesquisa e demais segmentos da sociedade civil), buscando contribuir com propostas que possam viabilizar um modelo de desenvolvimento ambientalmente sustentável  dos municípios  e regiões do Pará, por meio de implementação de políticas públicas. 
  • O evento é promovido pelo Solidarity Center/Federação Americana do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais (AFL-CIO), em parceria com a CUT - Central Única dos Trabalhadores, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará (FETAGRI), o Instituto Observatório Social (IOS), e o Fórum Amazônia Sustentável (FAS).

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Garanti emenda na LDO para melhorar salário e carreira dos delegados e polícias

Conforme anunciei no blog a 21 de junho, está aprovada emenda que aporta recursos na LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias para garantir a equiparação salarial dos delegados de Polícia Civil em relação à elevação à Carreira Jurídica galgada através de PEC proposta e aprovada pelo nosso mandato.
Na emenda fica assegurado o aporte financeiro para garantir o PCCR dos policiais civis e militares que estará sendo debatido ainda neste segundo semestre.
Diante disso, é só o governo Jatene implementar as melhorias e a valorização que delegados e polícias civil e militar tanto necessitam e que nosso mandato tem se esforçado para garantir, como fizemos agora.
Recursos estão garantidos. Agora é só o governo destinar o dinheiro para melhorar salários e carreira dos delegados e polícias civil e militar.
  
Por que não sai o plano estadual de segurança pública - ainda no tema da segurança pública, hoje será lançado o Plano Nacional de Segurança Pública pela presidenta Dilma, em Alagoas. 

Totalmente na contramão da luta por segurança, aqui no Pará o governo Jatene se recusa a colocar em funcionamento o Plano de Segurança aprovado pelo Conselho Estadual de Segurança Pública.










O senador tucano e ex-bicheiro Mário Couto julga bicheiro Demóstenes. E confira a agenda das convenções

A minha agenda está intensa, desde ontem. Fui a Santa Luzia e de lá a Cachoeira do Piriá. Hoje, estarei em Mãe do Rio. Amanhã, quinta-feira, em Tracuateua e na sexta 29, em Nova Esperança do Piriá.

Como já tuitei, o governo biônico de Santa Luzia ameaçou os funcionários públicos  para que não fossem à convenção PMDB/PT, ocorrida ontem. Mas o tiro saiu pela culatra pois, apesar das ameaças, o pblico estimado de ´era de duas mil pessoas na convenção PMDB/PT.

Boa quarta-feira e não deixem de ler o artigo a seguir, originalmente publicado no Brasil 247 e no blog do Manuel Dutra: 



No julgamento do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) por envolvimento com o empresário do jogo do bicho Carlinhos Cachoeira se encontra um parlamentar que foi réu num processo com essa mesma contravenção. 

O senador Mário Couto (PA) respondeu corrupção ativa em 1989, mas a Justiça não encontra o processo. O senador Mário Couto (PSDB-PA), membro do Conselho de Ética que pode cassar o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) por envolvimento com o empresário do jogo do bicho Carlinhos Cachoeira, foi réu num processo em que era acusado de envolvimento com essa mesma contravenção: jogo do bicho. 

A ação, motivada pelo Ministério Público do Pará em 1989, é dada como perdida dos arquivos pelo Judiciário paraense, que nem sequer pôde afirmar se o político foi condenado ou absolvido. 

À Folha, Couto afirmou que teve envolvimento com o jogo do bicho antes de ser eleito deputado estadual em 1990, sua primeira eleição. Ele diz que acabou absolvido. 

A denúncia, feita à época pelo promotor José de Ribamar Coimbra, cita depoimento de Couto à polícia em que ele disse ter administrado uma banca do bicho chamada A Favorita. 

 Além da contravenção penal, Couto e outros cinco réus foram acusados de corrupção ativa, pois disseram, em depoimento, que pagavam propina a um delegado para evitar repressão à atividade. 

Segundo a Promotoria, a denúncia foi recebida em 1989 pela 4ª Vara Penal de Belém, hoje 3ª Vara Criminal. Inicialmente, a 3ª Vara informou que o processo estava arquivado. A Corregedoria pediu então que a vara buscasse o processo em seu arquivo, mas ele não foi encontrado. A Corregedoria diz que continua procurando. 

O Ministério Público não soube informar qual foi o acompanhamento dado à ação. O órgão disse que o promotor responsável pela denúncia morreu em 1993 e que, após chegar à Justiça, o caso nunca voltou à Promotoria.

terça-feira, 26 de junho de 2012

A Caixa precisa tomar providências urgentes, pois 4 mil famílias ficaram sem Bolsa Família em São Domingos do Capim

Faz dias que venho denunciando a situação da única lotérica da Caixa em São Domingos do Capim.

Hoje, o Jornal O Liberal trouxe para a capa o problemão que o dono da lotérica causou a quatro mil famílias que dependem do Bolsa Família, não receberam o benefício por conta da dita lotérica.

O Bolsa Família é um programa sério do governo federal, inaugurado no governo Lula e continuado e ampliado no governo Dilma e não é certo que os humores do dono da lotérica em São Domingos do Capim, deixem quatro mil famílias sem seus direitos e benefícios!

A Caixa Econômica precisa tomar providências urgentes!

Eleições 2012: semana decisiva em todo o país!


Semana agitada com convenções partidárias todos os dias até sábado dia 30 de junho. Na véspera, às 17 h, a convenção petista em Belém, sagra o companheiro Alfredo Costa como nosso candidato a prefeito de Belém. É uma semana de muitas emoções, como adiantei em meu twitter.

  • Em Brasília, a Executiva Nacional do PT aprovou ontem resolução interna liberando o PT na coligação com o PPS de Marabá. Assim, o PT integrará a coligação da Terceira Via, em torno da futura candidatura do deputado João Salame a prefeito de Marabá. 
  •  Em Capanema, por 6 x 4 o PT decidiu, em reunião de Executiva Municipal,indicativo de coligação com o PMDB. A convenção será nesta sexta-feira 29. Ali, estão bem posicionados para a reeleição os vereadores Antônio Maria e Chico Adalgizo do PT.

  • Em Cachoeira do Piriá, o PT apóia  D.Beth do Garimpo(PMDB) a candidata a prefeita;
  •  Em Santa Luzia do Pará, a chapa que vamos apoiar é Edno(PMDB) e Lúcia Machado(PT).

  • Em Belém, a convenção vai acontecer na sexta-feira, às 17 horas, na sede do Paysandu. Vamos lá!

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Lotérica da Caixa em São Domingos do Capim atrasa o Bolsa Família de 4 mil pessoas

Diante das "inúmeras reclamações feitas pela população" a Semas - Secretaria Municipal de Assistência Social de São Domingos do Capim, encaminhou pedido à Caixa Econômica Federal para que fiscalize a única lotérica existente na cidade e também os reais motivos que levaram a lotérica a atrasar o pagamento do Bolsa Família. A informação está na pág. 12 do caderno Atualidades do jornal "O Liberal" de hoje. (Clique na imagem abaixo para ler toda a notícia).

A 12 de junho, requeri informações junto à Caixa sobre o mesmo assunto denunciado hoje no jornal.

Em meu requerimento, cobrei providências da Caixa Econômica Federal sobre a concessão de uma serviço de lotérica em São Domingos do Capim, de propriedade do sr. Yoiti Nakata, devido a várias denúncias de maus tratos aos beneficários do Bolsa Família que precisam do serviço e têm sido tratados de forma desumana pelo proprietário. E que seja revisto o processo licitatório que deu ao empresário a conta do Bolsa Família, visto que há um péssimo atendimento aos beneficiários de tão importante programa social que tem mudado a face da pobreza do nosso país. Programa dos governos petistas de Lula e Dilma.

Dr. Rosinha: Paraguai, golpe parlamentar orquestrado

Nesta semana, quinta e sexta-feiras, 28 e 29, haverá a 43ª Reunião do Conselho de Mercado Comum e Cúpula de Presidentes do Mercosul em Mendoza, na Argentina. Mas o Paraguai não participará da reunião do Merscosul.

Por decisão dos países membros - Argentina, Brasil e Uruguai - e também os países associados - Chile, Peru, Venezuela, Bolívia, Equador e Colômbia - o  Paraguai foi barrado de participar da reunião. 

A decisão foi tomada com base no Protocolo de Ushuaia sobre Compromisso Democrático no Mercosul, assinado em 24 de julho de 1998. O documento determina "a plena vigência das instituições democráticas" como "condição essencial para o "desenvolvimento do processo de integração”. 

No comunicado, os países-membros expressaram a “enérgica condenação à ruptura da ordem democrático ocorrida na República do Paraguai". O comunicado informa ainda que os chefes de estado irão analisar novas “medidas a serem adotadas” - inclusive a adoção de sanções econômicas. 
 O golpe à democracia, já abençoado pelos EUA e Vaticano, foi desferido a toque de caixa. Aqui no Brasil, em 2005, foi tentado o mesmo golpe contra o presidente Lula. Clique para ler.

Entenda o golpe no Paraguai no artigo a seguir, do deputado petista dr. Rosinha (PT-PR), publicado no blog Viomundo.

Boa segunda-feira e boa semana!

Uns dizem que a terra é pública, do Estado. Um fazendeiro diz que a terra é dele, mas não apresenta prova convincente. Esta mesma área é ocupada por alguns trabalhadores rurais, menos de uma centena de famílias.

Um juiz dá uma ordem de despejo. Acusa-se o fazendeiro de ter infiltrado, entre os trabalhadores, homens fortemente armados. Policiais, também armados, chegam para cumprir a ordem de despejo dada pelo juiz, ligado ao partido de oposição ao governo e sobre quem há suspeita de que tenha sido corrompido.

Durante a execução da ordem, ocorre um conflito. Nele, morrem 17 pessoas, sete ou oito policiais e nove ou dez campesinos. Pelo menos outras 50 pessoas saem feridas. Os números não são precisos, dependem da fonte. Este é um breve relato do sangrento conflito agrário ocorrido no último dia 15 em Canindeyú, região Noroeste do Paraguai, fronteira com o Brasil.

Dirigente do Movimento dos Campesinos, José Rodríguez afirma o seguinte: “As famílias estabelecidas na fazenda só resistiram ao despejo e não foram as culpadas dos disparos contra a polícia”. Chega a afirmar também que “pudo haber sido un autoatentado de la policía” [“Desalojo, sangre y fuego en Paraguay”, Página 12, 16/06/2012], para justificar as mortes dos sem-terra. Se isto for verdade, mostra do que são capazes a polícia corrupta e os que se dizem donos de grandes extensões de terra no Paraguai, inclusive alguns brasileiros.

Quem afirma que a terra lhe pertence é o empresário e fazendeiro Blas Riquelme, ex-senador do Partido Colorado, de oposição ao governo Lugo. Riquelme afirma que comprou a terra do Estado durante a ditadura do general Alfredo Stroessner (1954-1989). Militantes pela reforma agrária afirmam que a terra é pública, e que o ex-senador foi favorecido pelo ditador que lhe concedeu a área.

A partir destes fatos, a oposição, entre os quais o Partido Colorado (partido do fazendeiro e do juiz) e a Unión Nacional de Ciudadanos Éticos (ironia no próprio nome), partido dos oviedistas (seguidores de Lino Oviedo), com apoio do Partido Liberal Radical Autêntico, a que pertence o vice-presidente, passam a responsabilizar o presidente Fernando Lugo pelas mortes.

Quarta feira, 20 de junho: Lugo anuncia a criação de uma comissão especial para investigar a razão da violência e as causas das mortes. Antes, porém, no dia 16, o presidente já havia aceitado, como exigia a oposição, a renúncia do seu ministro do Interior, Carlos Filizzola, e de seu chefe de Polícia. Não foi suficiente, pois a oposição quer o golpe. Um golpe com cara de legalidade, semelhante àquele que ocorreu em Honduras, há exatos três anos, em junho de 2009.

A comissão especial não começou a trabalhar. Mas seu trabalho não interessava a oposição, pois esta trabalha com versões e não com fatos. E as versões continuam: alguns afirmam que os campesinos emboscaram os policiais. Outros culpam a polícia. O que menos importa para a oposição é apurar como tudo ocorreu. Apurar a verdade.

A ela importa a versão do fato e, a partir daí, punir o ‘culpado’ (Fernando Lugo). Culpado não pelo trágico fato, mas o culpado identificado pela versão que a oposição criou.

O conflito ocorreu no dia 15, e já no dia seguinte começou a ser veiculado publicamente que a oposição tentaria um impeachment, batizado pela própria oposição de “juicio político” de Lugo. A oposição utilizou o conflito com o objetivo de criar a condição para o “juicio político” do presidente.

Sobre este “juicio”, o ministro do Interior (agora ex), Carlos Filizzola, afirmou que “no existen ni pies ni cabezas, ni argumento alguno” [“Desalojo, sangre y fuego en Paraguay”, Página 12, 16/06/2012] para solicitar o “juicio” político de Lugo como pediu o presidente da Unión de Gremios de la Producción (a UDR do Paraguai, onde se aglutinam os “ruralistas”, brasileiros ou não, daquele país), Héctor Cristaldo. Já no dia seguinte ao conflito, foi pedido o impeachment.

A questão da terra no Paraguai é um dos mais complexos problemas. Os grandes proprietários são acusados, com algumas exceções, de apoderarem-se da terra através de métodos ilegais, como, por exemplo, favorecimento do ditador Stroessner. O ditador expropriava a terra de seus adversários e dava a seus correligionários do Partido Colorado. E nesta questionada situação está a terra de Blas Riquelme.

O empresário, fazendeiro e ex-senador do Partido Colorado é conhecido pela riqueza e por várias frases célebres, tais como: “o sujeito lavou as mãos como Pitágoras”, ou “a la oposición nada le gusta, nada le conforma, son como el perro de Don Ortellado, no comen ni dejan comer” [‘Político, empresário e dirigente’, Pagina12, 16/6/2012). Porém, agora, a oposição, da qual faz parte Riquelme, soltou todos seus ferozes cães contra Lugo e, mais uma vez, contra o povo paraguaio.

Riquelme também foi denunciado por suposta fraude eleitoral nas eleições internas do Partido Colorado, realizadas em 27 de dezembro de 1992 (repare a data: 27 de dezembro, entre natal e ano novo). Também foi presidente do Cerro Porteño entre 1972 e 1974 e é hoje um dos homens mais ricos do Paraguai.

No final da tarde do dia 21 (quinta-feira), depois de o impeachment ter sido já aprovado (73 votos a favor e um contra) pelos deputados, sem sequer direito de defesa, fiquei ouvindo uma rádio (não me recordo o nome), via internet, de Assunção.

Ouvi de alguns parlamentares paraguaios algumas pérolas, se não da qualidade das de Blas Riquelme, muito próximas. Como a audição não estava perfeita, não consegui anotar os nomes, mas parte do que afirmavam.

Um parlamentar justificava que não era um golpe de Estado, que não é a ruptura de um processo democrático, pois há “um vice democraticamente eleito”. Outro, na eminência da cassação, dizia que Lugo não quer “renunciar porque não quer soltar a mamadeira”.

Um terceiro argumentava que a renúncia seria importante para “descomprimir a situação”. Já um quarto, abusando da condição de o presidente ser um ex-bispo, pedia a Deus para que iluminasse a “Lugo pela primeira vez”.

Estes parlamentares não apresentaram, enquanto ouvi, nenhum argumento sério que justificasse o impeachment de Lugo. Era quase que o pedido de “pelo amor de Deus”, renuncie. Tive a impressão de que eles queriam lavar as mãos (Riquelme deve responder se como Pilatos ou como Pitágoras) para não cometer uma injustiça, mais um ato contra a democracia, contra o Estado de Direito.

Quando o pedido de “juicio” político chegou ao Senado, as cartas já estavam dadas e marcadas, tanto que o senador e presidente do Congresso Nacional paraguaio, Jorge Oviedo Matto, eleito pelo Unase, partido fundado pelo General golpista Lino Oviedo, acusou o presidente Lugo de ser cúmplice das mortes no conflito de Camendiyú:

“Acá no hay que hablar de jefe de policía ni de ministro, acá el presidente Lugo es el responsable de la seguridad interna, las fuerzas del orden están a su cargo. Esto no puede seguir así”, enfatizó. Ante la posibilidad de que los autores del asesinato de los policías fueran miembros del grupo denominado Ejército del Pueblo Paraguayo (EPP), indicó que el mismo hace tiempo debía haber sido eliminado por las fuerzas de seguridad, de existir voluntad para ello (“El congreso amenaza a Lugo”, Página 12, 16/06/2012).

Sabem os paraguaios que o EPP é mais ficção e versão que fato.

As declarações do senador Oviedo, horas depois do conflito, mostra a predisposição da oposição: não apurar os fatos, mas trabalhar com uma versão.

Em declaração a Dario Pignotto (“Paraguai: fazendeiros estariam por trás da morte de camponeses”, Agência Carta Maior, 17/6/2012), Damasio Quiroga, secretário geral do Movimento Campesino Paraguaio, declarou:

“O que aconteceu foi uma matança contra nossos companheiros, muitas mentiras estão sendo ditas para prejudicar o que a gente disse dos camponeses que estão lutando por terra para trabalhar, que estão lutando pelo direito à reforma agrária. Confirmo que, até esse momento, são 12 os companheiros que foram assassinados [...] Também ficamos sabendo que alguns foram executados depois de terem sido presos”.

Versões continuaram desde o conflito até o dia do impeachment. A oposição canta vitória, no entanto, não se sabe como exatamente ocorreram os fatos. Não se conhece a verdade. Foi conflito ou enfrentamento? Quantas pessoas participaram? Quantas eram? Quantos foram os feridos? Havia capangas infiltrados? Houve execução? Houve autoatentado? Nada disso interessa para a oposição. A ela não importa o fato, mas sim a versão. Usando a versão, cassaram um presidente. Deram um golpe (branco) de Estado.

Fernando Lugo foi eleito presidente do Paraguai em 2008 quebrando uma hegemonia de 35 anos do Partido Colorado. Tomou posse em 15 de agosto de 2008 para um mandato de cinco anos, até agosto de 2013. Foi o primeiro governo, desde o fim da ditadura, sem vínculos com o ditador Stroessner.

Nunca foi tolerado pelo Partido Colorado, pelo Unase e tampouco pelo PLRA (Partido Liberal Radical Autentico), este último, seu “aliado”.

Todos no Paraguai sabem que a polícia, o exército e todo o aparato estatal do Paraguai sempre foi instrumento dos ricos empresários, fazendeiros e da elite política.
Lugo não teve apoio do Congresso paraguaio para desbaratar este aparato estatal. Consequência: mais uma vez, não apenas Lugo, mas o povo paraguaio é vítima deste Estado.

Dr. Rosinha, deputado-federal (PT-PR), é o vice-presidente brasileiro do Parlamento do Mercosul. No twitter: @DrRosinha

PS do Viomundo: Acrescento ao pertinente artigo do Dr. Rosinha que, na Venezuela, também foi assim, em 2002. A versão de que Hugo Chávez havia mandado atirar em manifestantes desarmados, propagada pela mídia, foi determinante para ‘legitimar’ o golpe perante a opinião pública mundial.  Quem quiser refrescar a memória, veja aqui no documentário A Revolução Não Será Televisionada e aqui no documentário Puente Llaguno. Os documentários desmontam as mentiras dos golpistas e da mídia que os assessorou.

domingo, 24 de junho de 2012

Época: eleição em Belém ameaça aliança PSDB-PMDB

Agenda hoje é em Moju. PT lança o atual vice-prefeito Nazareno Santos a prefeito com vice do PMD. A semana é de definições em todos os partidos. Dia 29, a convenção petista em Belém, na sede do Paissandu.

Bom domingo, bom Dia de São João e não deixem de ler esta notícia que saiu na revista Época:

Eleição em Belém ameaça aliança PSDB-PMDB

 A simpatia do governador do Pará, Simão Jatene, pela candidatura do deputado Zenaldo Coutinho (PSDB) na disputa pela prefeitura de Belém irritou o PMDB do Pará. O partido liderado pelo senador Jáder Barbalho ameaça romper a aliança fechada na eleição do ano passado com os tucanos. Os peemedebistas esperavam que Jatene indicasse o deputado José Priante na disputa pela capital, como tinha sido anunciado, em troca do apoio recebido do PMDB à sua eleição. Mas esta semana o cerimonial do Palácio dos Despachos passou a convidar dirigentes das legendas pequenas para um encontro na próxima segunda-feira com Jatene e Coutinho para tratar de eleição. A operação do governador era para ser secreto e evitar um mal estar com o PMDB. Mas a manobra não deu certo. A opção de Jatene por Coutinho, ferrenho oposicionista aos governos Lula e Dilma, pode ser o mote para reaproximação do PMDB com o PT em Belém.

Leonel Rocha

sábado, 23 de junho de 2012

Perereca: assessoria do governador abriga parentes de 20% dos deputados e desembargadores e até de dois magistrados do TRE

Imperdível a leitura do blog Perereca da Vizinha. Clique e leia a terceira reportagem da série "os especialíssimos assessores do governador Jatene":

Um time da pesada: assessores especiais do governador do Pará, Simão Jatene, devem aos cofres públicos quase R$ 7,6 milhões. São 10 ex-prefeitos, dois deles já condenados por improbidade. E mais: Perereca localiza mais dois deputados estaduais e um juiz do TRE que também teriam parentes diretos na assessoria do governador. Tudo na terceira reportagem da série “Os especialíssimos assessores do governador Simão Jatene”.

 

 

 

É hoje a convenção do PC do B. Às 17 h na Câmara Municipal de Belém

Alfredo Costa na convenção do PC do B.

A companheira Ana Júlia presente à convenção do PC do B.
Hoje, às 17h na Câmara Municipal de Belém, acontece a Convenção do nosso partido irmão, o PC do B.

Confirmou presença nessa importante convenção o companheiro e pré-candidato do PT às eleições à prefeitura de Belém, Professor Alfredo Costa.

Neste sábado, Chico Cavalcante faz seminário de marketing eleitoral

Que ferramentas utilizar nas eleições?

Estas e outras perguntas serão respondidas no seminário "Marketing Eleitoral de Guerrilha", que será realizado pelo publicitário Chico Cavalcante neste sábado, das 14 às 18:30, na Trav. Benjamin Constant 1329, bairro de Nazaré, em Belém.

Profissionais pagam R$70,00 e estudantes, R$35,00. Contatos via www.escoladecomunicacao.com

Então, o sábado tem muitas atividades: pela manhã, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PA), em Belém,bancários do Banpará de todo o Estado promovem encontro para debater a pauta de reivindicações a ser apresentada ao banco na campanha salarial.

E à tarde, seminário com Chico Cavalcante sobre este assunto atual e importantíssimo: como conquistar o voto com as ferramentas de guerrilha.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

PPP's: governo Jatene tem em mãos instrumento para avançar sobre patrimônio público sem qualquer controle da sociedade

Neste sábado pela manhã, bancários do Banpará fazem encontro anual para preparar a pauta de reivindicações da categoria, dentro do calendário nacional da campanha que fica mais intensa em setembro, mas é organizada com bastante antecedência. Será no auditório do Tribunal Regional do Trabalho-TRT-Pa, a partir das 8 horas.

Além de salário, saúde, segurança, com certeza estará na pauta dos bancários do Banpará  o risco de privatização do banco estadual, agora que foi aprovado, a toque de caixa, o Projeto de lei 210/2011, que trata das PPP's - Parcerias Público-Privadas.

Na aprovação das PPP's, três aspectos chamam a atenção:
Bancários, urbanitários, CUT, movimento popular, no final do ano passado, tratando sobre o projeto das PPP's. Foto: David Alves.
1. a  ausência de transparência, de publicidade prévia do que vai ser votado ainda persiste na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa). A pauta  com os projetos que iriam à votação não  foi informada previamente, como manda a regra democrática mais elementar. Em nome da bancada do PT, apresentei projeto de resolução que tornava obrigatória a apresentação da pauta no prazo mínimo de 24 horas, para que deputados e deputadas saibam com antecedência o que vai ser votado. Essa proposta de projeto de Projeto de Resolução nunca foi sequer pautado na Alepa! No caso do projeto das PPP's, a  votação foi enfiada na pauta minutos antes de iniciar a fase de debates e votação;

2.  o voto envergonhado e silencioso  da bancada governista  é o segundo aspecto que destaco. Até tuitei sobre isso hoje. A única voz que se levantou para defender o neoliberalismo e o projeto das PPP's foi a do deputado Martinho Carmona.

3. a entrega do setor público sem qualquer controle social, ressalto como 3º aspecto. Apresentei emenda que foi defendida pelo companheiro deputado Alfredo Costa que as PPP's tivessem controle social. A emenda foi rejeitada por 14 x 12 votos.

Do jeito que foi aprovado, o projeto de lei das PPP's é, como eu denunciei no final do ano passado, um cheque em branco nas mãos do governo Jatene. A Alepa não fiscalizará, não terá controle da sociedade civil. É o setor público passando para a iniciativa privada como uma verdadeira e descarada ação entre amigos.

Clique aqui para ler o projeto das PPP's.

E o que eu disse sobre o assunto no twitter hoje: 
  • Na batalha de quarta p/ PPPs mais transparentes no Pará, chamou atenção o voto envergonhado da base governista
  • O Dep. Martinho Carmona foi o único governista a defender PPPs de Jatene
  • Das 3 emendas q/ apresentei a q/ previa participação da sociedade civil no conselho gestor das PPPs recebeu 12 votos contra 14
  • Deputados votando contra eles mesmos na emenda q/ submetia aprovação de PPP onde tenha mais de 40% de recursos públicos 
  • Já me iludi q/ conferências e congressos mudavam o mundo. Aprendi q/ só política real tem poder p/ tanto.
  As três emendas apresentadas pela nossa bancada, pelo PT: 
  • § 3º As concessões patrocinadas em que os custos do parceiro privado for pago pela Administração Pública dependerão de autorização legislativa específica.


  • § 5º Quando houver empresa pública ou órgão do governo, os serviços públicos ou obras públicas a eles relacionadas diretamente quando alvo de Parcerias Público-Privadas, será dado preferência para execução a empresa pública ou órgão público.


  • VIII – sete representantes da sociedade civil, a ser especificado em regulamento.