Por que o PT Belém vai de Edmilson neste 2º turno.

Fiz este pronunciamento ontem na ALEPA - Assembleia Legislativa do Pará, na 58ª reunião ordinária da 18ª legislatura.
No 2º turno em Belém, o PT vai de Edmilson 50. Cartaz é arte de Chico Cavalcante.Vanguarda.
Resume as razões do apoio do PT ao candidato Edmilson Rodrigues e por que Edmilson é a verdadeira oposição e a verdadeira mudança.

  • Hoje à tarde haverá a votação no STF do julgamento do companheiro Paulo Rocha. Todos torcemos pela absolvição, pois temos total convicção da inocência desse grande lutador e construtor do PT, das Liberdades e da Democracia!
Bom dia e bom trabalho! A seguir, meu pronunciamento na Alepa:


Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

 pedindo data vênia aqui ao meu querido líder Megale, quero entrar em um debate sobre as eleições em Belém sobre o que está em jogo, o perfil dos candidatos, os projetos em disputa e por que o meu partido, o Partido dos Trabalhadores, sem muita delonga declarou e se engajou na campanha do Deputado Edmilson Rodrigues à Prefeitura de Belém.

Primeiro, o nosso Partido tem uma enorme, uma grande alegria e agradecimento ao Deputado Alfredo Costa que, numa conjuntura muito difícil, aceitou representar o nosso projeto na disputa da capital.

Companheiro Alfredo, companheiro Arroyo, vocês merecerão eterna gratidão do Partido dos Trabalhadores. O PT elegeu três vereadores em Belém, reelegeu o Vereador Amaury, da PPD; reelegeu o agora Vereador do PT Iran Moraes e Ivanise Gasparin que, pela primeira vez se lançava à disputa eleitoral, e numa campanha memorável conseguiu se eleger vereadora da capital.

Para aqueles que acham que o apoio do Partido dos Trabalhadores à candidatura do Edmilson está representado na votação do nosso candidato Alfredo Costa, está menosprezando o peso, a força simbólica e política do nosso partido na capital como no Brasil. 

O professor Edmilson Rodrigues, expressa não o projeto individual, Edmilson representa a perspectiva de uma cidade sustentável e sustentável principalmente pelo lado humano e social. 

Belém é uma capital que chora todos os dias a ausência de políticas sociais efetivamente includentes, inclusivas e que tratem a exclusão não como uma doença nem como algo que tem que ser atendido por projetos tópicos, que atendem pouca gente e que fazem propaganda maciça para dizer que cuidam dos pobres e que cuidam dos excluídos. Essa é a diferença.

Enquanto o candidato governista; governista porque tem agora o apoio do governador e do prefeito da capital. O Deputado Zenaldo já está recebendo o apoio declarado de toda a estrutura do prefeito Duciomar Costa, dos vereadores no cargo e dos eleitos, todos os Secretários do Governo de Duciomar Costa já estão na campanha de Zenaldo Coutinho, só não teve a declaração do alcaide, porque seu número e a sua rejeição é tão grande na capital que acordaram que é melhor ele não declarar apoio.

O candidato governista não tem o que mostrar, porque enquanto ele promete resolver o problema da segurança pública na capital, o seu principal patrono, que é o governador, não consegue explicar a falência do sistema de segurança pública. Porque a segurança da Capital está do jeito que está? Falta investimento, falta guarda na rua, falta apoio para a polícia. Isso não é um problema do Secretário, é um problema de que o Estado não investe como deveria investir na segurança pública da capital.

O programa social decantado, inclusive assisti a um programa do Deputado Zenaldo Coutinho em que eles vestiram de camisetas preparadas os meninos e as meninas do Pro Paz e dizem que já  atenderam na capital em dois anos duas mil pessoas em programa que se diz social. Duas mil pessoas.

Deputado Eliel Faustino, em dois anos não pode ser sério um programa desse. O Partido dos Trabalhadores se associou à candidatura do Deputado Edmilson, porque o Deputado Edmilson incorporou elementos do nosso programa. E para além das nossas diferenças com o PSOL, seu partido, temos proximidade com os projetos e as políticas públicas defendidas pela candidatura e pela história do Deputado Edmilson Rodrigues.

O Deputado Edmilson, desde a juventude é o quadro político posicionado na defesa da democracia, na defesa dos mais pobres, dos excluídos, na defesa das eleições diretas, do apoio aos movimentos sociais, enquanto o outro...

Qual a história do outro? Pelo que me lembre, o Deputado Zenaldo Coutinho comandava a juventude de direita do PDS, da Arena, foi assim que começou a história do hoje candidato Zenaldo Coutinho, ele liderava na Universidade Federal do Pará a juventude do PDS, quem não sabe, você que está me assistindo, é a juventude do regime militar, da ditadura militar. Então, enquanto o Edmilson defendia a democracia para o povo, Zenaldo Coutinho defendia a ditadura dos generais.

Depois, na história do Edmilson, tem carteira assinada, professor da rede pública com carteira assinada, que pega ônibus para ir dar aula. Eu não conheço que emprego teve o atual candidato e Deputado Zenaldo antes de entrar na vida política, não conheço, não vi nenhuma carteira assinada até hoje.

A vida dele já começa na política: Vereador, Deputado e, aliás, a falta de projetos fez com que o Deputado decantasse o seu instituto chamado Helena Coutinho, como se fosse a grande resposta ao dilema social da cidade.

Estou entrando, vou pedir uma investigação sobre o Instituto Helena Coutinho. Ao longo de muitos anos, desde que o Deputado foi Presidente desta Casa, o Instituto Helena Coutinho é receptor de uma quantia elevadíssima de convênios e emendas parlamentares que, pelos números divulgados no programa eleitoral, não correspondem a esse dinheiro absurdo que entrou nesse instituto. Mas deixemos isso para outra discussão.

Na falta de identidade social, na falta de projeto social, de histórico com os problemas e anseios do povo, vendeu-se a ideia de que é um grande defensor social por causa do insignificante Instituto Helena Coutinho. O problema é discutir quais projetos sociais tem o candidato, até agora a única coisa que ouvi é o ainda muito pouco representativo Pro Paz. O que é o Pro Paz? Um dia desses perguntei: Quem conhece alguém que está nesse Pro Paz? Eu sabia quem estava no Bolsa-Escola, no Sementes do Amanhã, nos programas sociais que buscam efetivamente resgatar a infância e a juventude da nossa cidade.

Então, o segundo elemento, o elemento da história, pois acho que a campanha de 2º turno está deixando muito clara a falta de historicidade do candidato do PSDB, do candidato tucano.

O terceiro elemento diz respeito à tal da União por Belém, mas que união é essa? Ontem, vi um programa das eleições em que mais uma vez Sua Exa. o Governador aparece andando na João Paulo II, aliás, o Governador está com uma pressa danada, não sei se V. Exas. assistiram domingo, eu já não conseguia mais ver a Santa porque era tanta aparição do Governador para desejar Feliz Círio, que, de repente, eu queria ver a berlinda e a Santa, e estava difícil porque toda hora entrava o Governador para desejar Feliz Círio, e não satisfeito, ainda ontem, já passou o Círio, e era a cada dez minutos o Governador desejando Feliz Círio.

Mas, ontem, estava Sua Exa. prometendo o que não pode dar. O povo do Pará tem que saber que o Governador Jatene está pedindo a esta Casa, e vamos votar hoje ainda, um conjunto de empréstimos para tentar fazer obras no Pará, porque ele não tem dinheiro do caixa do Estado para fazer o que ele está prometendo na TV com o candidato do seu partido.

Interessante falar de união quando coloca a união federal de fora. Já repararam isso? É união entre Prefeito e Governador. Mas interessante que tudo que é prometido para ser feito é com o dinheiro federal, é com dinheiro que tem de ser liberado pelo Governo da Presidenta Dilma, e eles não se referem ao Governo Federal. É interessante isso. O Ação Metrópole é Governo Federal como as obras de habitação, saneamento. Tudo que está sendo prometido é governo federal. Mas na união dele não cabe governo federal.

Então como pode? É assim: já que o Governador gosta tanto do Círio como eu, é tipo convidar para o almoço do Círio a família, mas esquecer aquele tio, o que vai patrocinar o almoço e deixá-lo de fora do almoço; ele está pagando o almoço, pato, tudo, mas ele não é convidado para o almoço. É tipo assim.

Então a população de Belém tem que saber distinguir o que é projeto real, o que é projeto factível, o que vai ser feito daquilo que é inventado na mesa de marketeiro.

Onde estão as obras de saneamento no Estado que S. Exa. o Governador vem bater agora, dizer que vai fazer com o Prefeito se for eleito? Já não tem dinheiro para fazer como Governador, Deputado Eliel Faustino, vai ter se for Prefeito e ainda deixando o tio, que está pagando a conta, sem ser convidado para o almoço do Círio.

Então, população de Belém, o candidato governista se chama Zenaldo Coutinho, é o candidato do Governador e do Prefeito agora. Está tudo apoiando o Zenaldo. O candidato da sociedade, da oposição, aquele que, de fato, tem o sonho de fazer uma mudança em Belém é o Deputado Edmilson, e por isso Deputado Alfredo Costa, o nosso Partido está emprestando o nosso apoio político, moral para que o Deputado Edmilson volte a governar a Capital do nosso Estado e de novo conduza esta cidade para um caminho que ela merece, que é o caminho da inclusão, da prosperidade e da justiça social.

Muito obrigado, Sr. Presidente.                   

Comentários

Anônimo disse…
Sou petista ha muito tempo e ,particularmente, me causa incomodo ver o Edimilson com o Lula e a Dilma. Não podemos esquecer que o PSOL é quem mais atrapalha as votações do governo Dilma. Eles são contra o Prouni, e os principais projetos de transferência de renda do Governo Federal. Tamabém não podemos esquece, que foram eles quem mais deram munição para que a Ana Júlia não fosse reeleita. Gosto do Edimilson, vejo nele um político sério, mas sinceramente não confio nesta gente do psol.
Anônimo disse…
Será que ele quer o emprego de volta ou será uma receita de remédio? As adesões "programáticas" de certos partidos ao Zenaldo beiram ao ridículo. O Presidente do PV, Zé Carlos Lima, após perder seis eleições consecutivas (Dep. Fed. pelo PT, Prefeito de Bragança pelo PT, Dep. Est. pelo PDT, Dep. Fed. pelo PV e duas vezes vereador pelo PV), em um ato desesperador, procurou o candidato tucano, mas não foi recebido. Apressadamente, fez o PV aprovar o poio a Zenaldo e divulgou na imprensa como uma isca tentando atrair a presa. Ofereceu o apoio do PV sem ser convidado. Com artimanhas de fazer inveja à Carminha de "Avenida Brasil", Zé Carlos Oportunista foi até a Avenida Nazaré atrás do Governador Jatene, no comitê de Jody, onde seria oficializado o apoio do PPS à Zenaldo. Oportunista como ele só, Zé Carlos chegou cronometradamente poucos minutos antes do governador e, como um verdadeiro Leão de Chácara, se postou na porta do comitê de forma a não dar chance de qualquer esquiva do mandatário máximo do Estado. Entretanto, a primeira investida de Zé Carlos Oportunista não teve grande sucesso. Ao chegar, como um bom político, o Governador estendeu a mão e, feito uma metralhadora giratória, cumprimentou a todos que o cercavam, quando repentinamente se deparou com a mão estendida do Zé Oportunista Carlos com seu inseparável sorriso sem graça e amarelo. Percebendo a cilada em que caíra, Jatene tentou puxar a mão, mas já era tarde, pois o Zé já havia segurado os cinco dedos do governador tentando reviver os velhos tempos palacianos. Agindo por extinto, como uma velha raposa que é, o Governador puxou a mão e rapidamente virou às costas para evitar maiores constrangimentos. Mas, o bom oportunista nunca se dá por vencido, ao perceber que não iria ser chamado à mesa das autoridades, Zé Carlos exigiu de uma assessora de Jordy para que fosse chamado à mesa, mesmo que não fosse fazer qualquer discurso. Porém, Zé Carlos não poderia entrar mudo e sair calado. Na saída, dentre as pessoas que se acotovelavam para se aproximar do Governador, lá estava Zé Carlos parecendo uma fã enlouquecida confundindo Jatene com Nilson Chaves. Quando finalmente se deparou com Jatene, Zé Carlos, meio trêmulo, lhe entregou um bilhete dizendo "Governador gostaria que lesse este bilhete". Atônito, Jatene balançou a cabeça positivamente, pois nada tinha a fazer. Todos então passaram a se perguntar: O que será que está escrito na quele bilhete? Será que Zé Oportunista Carlos quer o seu emprego de volta de Chefe da Casa Civil? ou será um pedido de uma simples receita de remédio?