sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Em Rondon, reintegração de posse da Fazenda Água Branca pode desencadear onda de violência

A nota a seguir é da Fetagri - Pará, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará e chama a atenção para a onda de violência que pode ocorrer em Rondon do Pará se for cumprida uma liminar de reintegração de posse. 

Confira a nota da Executiva da Fetagri, verdadeiro brado do movimento sindical do campo: 

 A FETAGRI-PA foi surpreendida com informações do STTR de Rondon do Pará, de que está na iminência de ser cumprida uma liminar de reintegração de posse na área da Fazenda Água Branca, Acampamento Raio de Luz, ocupada há 4 anos, naquele município do sudeste paraense.

Cabe lembrar que a referida área por conta da violência no campo e dos conflitos agrários, é objeto de negociação junto ao Governo Federal, Governo do Estado do Pará e a OEA, estando previsto ser transformada em assentamento de Reforma Agrária.

Vale ressaltar que o ITERPA já fez o cadastramento das 74 famílias que lá vivem e os agricultores aguardam ansiosos, que o assentamento seja criado, uma vez que se encontra em estágio de pré-assentamento.

O município de Rondon do Pará tem uma média de 200 mil hectares suspeitos de grilagem e um histórico de violências praticadas contra trabalhadores rurais, onde o caso mais emblemático é o assassinato do sindicalista José Dutra dos Santos, conhecido como Dezinho, ocorrido há 11 anos e até hoje os mandantes não foram presos.

Atualmente, a Srª Maria Joel, esposa do Dezinho e coordenadora regional desta Federação está sob segurança armada da Polícia Militar - PM e uma equipe da Força Nacional de Segurança – FNS, garante a segurança da liderança Zuldemir de Jesus diretora do STTR de Rondon do Pará.

 A FETAGRI-PA teme que o cumprimento de liminares, venha desencadear um processo de violência na região, pela reação que os agricultores venham a ter diante da possibilidade de ver suas plantações arrasadas e suas residências destruídas, fato que é comum acontecer, quando do cumprimento dessas medidas.

Por medida de prevenção a FETAGRI-PA encaminhou documento à Ouvidoria Agrária Nacional, à Procuradoria Nacional do INCRA e à Secretaria de Direitos Humanos e está protocolando ofício no ITERPA e na SEGUP, com objetivo de impedir o cumprimento da tal liminar, pelo menos até o dia 28/02, quando haverá audiência na Vara Agrária de Marabá, onde o caso da Fazenda Água Branca será objeto de pauta.

Belém-PA, quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012.

EXECUTIVA DA FETAGRI-PA.

Nenhum comentário: