quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

A PM do Pará está em greve, mas o governo diz que não


A Polícia Militar e os bombeiros do Pará estão de braços cruzados e aquartelados, para evitar a caracterização de ausência ao trabalho. Nas ruas, nada de polícia, embora o governo insista em dizer que não há greve. Há, sim.

Ontem à noite na assembleia da categoria, foi rejeitada a proposta de 14% de reajuste, feita pelo governo e mantido o estado de greve. Policiais e bombeiros reivindicam 100% de reajuste. Hoje tem uma nova rodada de negociação, mas se a proposta não melhorar substancialmente e com pagamento imediato, PM's pararão 100%.

Este blog já vinha anunciando a iminência da greve aqui. Os PM's reivindicam 100% de reajuste salarial e condições de trabalho decentes. 

O governo Jatene tenta encobrir o sol com a peneira, dizendo que vai tudo bem. Não vai nada bem e a tropa está inquieta. Não vai adiantar tentar colocar a culpa no governo do PT, que essa desculpa não comove e nem demove a tropa que já cruzou os braços e tem fôlego pra seguir adiante.


Já os delegados de polícia - que têm o pior salário do Brasil - estão com uma reunião prometida para a próxima segunda-feira, após o 12º adiamento de reunião. Enquanto aguardam e entram em processo de eleições na categoria, observam atentamente o movimento paredista dos PM's e bombeiros.

Acompanhe aqui a notícia da greve da PM e bombeiros em blogs e jornais :

No blog Na Ilharga
Cínica

Não há outra expressão a empregar contra a sorrateira secretária de administração do governo Lorota, aquela que surrupiou matreiramente parte dos salários dos professores durante a greve e recusa-se a repor, por "esquecimento", e agora, diante do desvairio que é a administração lorótica, vem com essa empulhação retórica de que a situação é decorrente de desmandos do governo passado.
 

Que pagou, diga-se, religiosamente os vencimentos de todo o funcionalismo sem atraso, ao contrário, até antecipando a data do calendário, que sempre passou para o mês seguinte durante os 12 anos de tucanato, concedeu vale alimentação e ainda evitou perdas, que agora voltarão inexoravelmente a acontecer, pois está no DNA tucano perseguir trabalhador e essa secretária cara de pau, cínica e vil sabe muito bem disso.
 

Essa greve da polícia, por sinal, é apenas consequência. Aliás, se não me falha a memória, os trabalhadores da área de segurança pública fizeram greve em quase todos os estados governados por tucanos, sendo São Paulo o caso mais acintoso porque lá chegou até a haver confronto entre grevistas e quem estava de serviço. Só falta a desmiolada titular da SEAD atribuir também a Ana Júlia a culpa por aquela greve, apesar de duas décadas de domínio tucano naquele estado.

Cara de pau!

No blog do espaço Aberto:
 Começa a greve. Clima entre oficiais e governo é de tensão.
Então é assim.

Três batalhões da PM amanhecem hoje em greve, muito embora novas negociações, a partir das 9h desta quinta-feira, tentem reverter a parada e evitar que o movimento se amplie.

O Espaço Aberto apurou que foi tensa, pra lá de tensa, a reunião, no final da tarde de ontem, entre oficiais da PM com o comandante-geral, coronel Daniel Mendes; o secretário de Segurança, Luiz Fernandes, e a secretária de Administração, Alice Viana.

A reunião começou com atraso de 3 horas.

A titular da Sead disse que o governo do Estado iria dar um aumento, escalonado, entre 12% a 20% para os praças.

Em relação ao oficialato, explicou que seria feito um estudo para se apresentar um proposta. Foi estipulado o prazo até amanhã para a apresentação desse estudo.

A secretária afirmou que o restante das reivindicações dos praças, como tempo integral, dedicação exclusiva e interiorização, entre outras, seria negociado a partir somente a partir de de março de 2012.

Oficiais presentes reagiram.

Não concordaram com a proposta do governo de separar os oficiais e praças em categorias distintas, pois a carreira policial militar é única.

Outros oficiais se pronunciaram e, ao final, foram aplaudidos pelos colegas de farda.

Representantes das associação dos praças também alegaram que não aceitaram o era oferecido pelo governo e apoiaram os oficiais, dizendo que a PM é única e as propostas de melhorias salariais também devem ser únicas.

Apesar das manifestações, a secretária foi irredutível, sob a alegação de que o Estado atravessa uma crise financeira, fruto de desmandos do governo petista de Ana Júlia Carepa.

Depois do encerramento da reunião, o comandante-geral designou uma comissão de oficiais para, juntamente com as dos praças, negociar com o governo.

No Diário do Pará:
 PMs e bombeiros em greve
Mesmo com a decisão tomada em assembleia geral, realizada ontem à noite, de transferir para a manhã de hoje a deliberação sobre uma possível greve da categoria, policiais militares e bombeiros iniciaram por conta própria uma paralisação em diversos pontos da cidade.

O movimento começou logo depois da assembleia, realizada em frente à Associação dos Policiais Militares da Reserva (Aspomire), na avenida Pedro Miranda, na Pedreira, que reuniu centenas de policiais e bombeiros.

Na Base da Polícia Militar do Tucunduba, onde ficam localizadas os comandos da 24ª, 11ª e 4ª ZPols, pelo menos seis veículos de ronda interativa estavam parados. Segundo os policiais, só seriam atendidos os casos de extrema gravidade.

No Quartel do Comando de Operações Especiais, de onde saem os homens e veículos da tropa de choque, canil e cavalaria, na avenida Alcindo Cacela, na Cremação, nenhum veículo estava sendo liberado. Os policiais colocaram cavaletes fechando a entrada do quartel e cruzaram os braços. Segundo os policiais, equipes da Força Nacional de Segurança já estavam sendo acionadas, ontem à noite.

Na frente da Seccional de São Brás pelo menos oito viaturas da ronda interativa estavam paradas, mas os policiais se dispersaram rapidamente com a chegada da equipe do DIÁRIO.
Segundo informações dos policiais, também já estavam parados o 6º Batalhão de Ananindeua, a 25ª ZPol de Benevides e o 21º Batalhão de Marituba. A decisão sobre a greve só deveria ser tomada no final de uma nova rodada de negociações marcada pelo governo para as 9h de hoje, no Centro Integrado do Governo (CIG), na avenida Nazaré.

Em princípio, a categoria não aprova a proposta que o governo apresentou em reunião realizada, anteontem, de um aumento de 14,13% somente para os praças, deixando de fora os oficiais. Eles querem uma proposta só para todos. Segundo o supervisor técnico do Dieese-PA, Roberto Sena, que assessora a categoria, a proposta “tem que ser unificada de soldado a coronel. Politicamente não dá para pensar numa proposta que não abranja a todos”.

A categoria quer 100% de reajuste no soldo para repor perdas de 65%, desde 1995, segundo o Dieese. Outras reivindicações como o pagamento do adicional de interiorização, o aumento da gratificação de risco de vida de 50% para 100%, o aumento de 100% do auxílio moradia e creche e o fardamento no contracheque foram reivindicações que ficaram de ser analisadas depois de março. Os policiais também exigem coletes à prova de bala e melhorias nos alojamentos.

“O governo pagou para ver, eles não acreditavam que seríamos capazes de uma mobilização tão grande na capital e no interior”, afirmou o sargento Aelton Costa, um dos integrantes da coordenação do movimento. Segundo Jeoas Santos, da Associação Nacional dos Praças, o salário dos militares paraenses “é o 23º do país e o pior das regiões Norte e Nordeste”.

A categoria considerou como uma vitória a promessa do governo de publicar, amanhã, um decreto instituindo uma comissão de negociação salarial permanente para os policiais e bombeiros militares. O aumento proposto pelo governo somente aos praças elevaria os salários dos soldados em mais R$ 539.

NA ROÇA
“Se com a polícia nas ruas a gente já se sente inseguro, imagina agora com a greve... Estamos na roça”, disse, preocupado, o vendedor de lanches Divino dos Reis, 38, que trabalha no Paar, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém. No início da madrugada de hoje, policiais militares da 7ª Zona de Policiamento que cobrem a região do Paar entraram em greve e 15 viaturas estavam paradas na garagem da ZPol.
Um mototaxista, que não quis se identificar, contou que os assaltos iriam aumentar com a greve dos policiais. “Com a polícia, já é perigoso: há assaltos, homicídios, entre outras coisas. Agora sem a polícia na rua, vai piorar tudo de vez”, falou.
“Nós damos todo o nosso sangue, mas não somos respeitados. E ainda fomos ameaçados pelo comandante geral (coronel Daniel Borges Mendes) que falou que quem acatasse a greve, iria sofrer represálias depois que a gente voltasse para as ruas. Consequências estas que são transferências, dentre outras coisas”, disse um policial, que preferiu não se identificar.
Segundo o tenente-coronel PM Campos, “oito viaturas saíram da garagem para realizar rondas pela área de Ananindeua”. No município de Marituba, policiais do 21º B.P.M. também estavam parados e todas as viaturas recolhidas.

PM/PA terá o 8º maior salário do país

A Secretaria de Estado de Segurança Pública informou no final da noite de ontem que os batalhões da Polícia Militar sediados em Ananindeua, Marituba e Icoaraci estavam paralisados pela greve dos militares. O próprio secretário Luiz Fernandes Rocha mantinha contatos com os comandos desses batalhões, recebendo informações detalhadas sobre a paralisação.

Em nota oficial, a Secretaria de Segurança observou que, diante das reivindicações dos policiais militares, apresentou proposta de reajuste que eleva os salários dos soldados para R$ 2.128,80. “Com o reajuste, as tropas paraenses passarão a ter o oitavo maior salário pago a policiais militares no Brasil”, destaca.

Os policiais militares em greve estão ocupando os quartéis e as ZPol. Essa disposição foi manifestada pelo comando da greve a fim de não configurar abandono de posto. Com isso, os grevistas tentam evitar ser expulsos da corporação, como ocorreu em 1986 com cerca de 200 militares afastados de suas funções após greve durante o governo Hélio Gueiros.

Segundo a assessoria da Polícia, o secretário avalia com tranqüilidade a situação, não acreditando que o movimento se alastre pelos demais batalhões e nem comprometa a segurança pública em Belém. Fernandes considera que a disposição do governo em negociar com os militares não permitirá que a greve se amplie pelo Estado.

Além de acompanhar a greve parcial em contato permanente com o comandante da Polícia Militar, Daniel Mendes, Fernandes entrou em contato com o comando da Guarda Municipal, que disponibilizou todo o seu contingente para a segurança da
capital.

O mesmo ficou acertado com a Guarda Municipal de Ananindeua e a Polícia Rodoviária Federal. O delegado geral Nilton Athayde e o comandante do Policiamento da Capital, Hilton Benigno, saíram às ruas para monitorar a situação nos bairros.

O Ciop manteve seu funcionamento normal, bem como as tropas de missões especiais (Rotam, Choque, COE, Canil e Cavalaria) foram acionadas para fazer o policiamento nas ruas a partir das 22h de ontem.

Segundo a assessoria da Segup, o comando nacional da greve dos policiais participou das reuniões com autoridades do governo e teria destacado a boa vontade demonstrada pelo governo do Pará em negociar.

Nos bastidores, porém, a informação é de que o comando nacional estaria orientando os grevistas, a fim de evitar erros cometidos nas paralisações em outros Estados. Durante o dia, a mobilização para a greve foi organizada através de mensagens de SMS pelos telefones celulares e via redes sociais (Twitter, Facebook, Orkut). (Diário do Pará)

NOTA OFICIAL
Com relação às negociações para o reajuste salarial dos policiais e bombeiros militares, a Secretaria de Estado de Segurança Pública informou, em nota oficial, que “Dentro do limite que é possível oferecer sem ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Governo do Estado apresentou proposta de reajuste que eleva os salários dos soldados para R$ 2.128,80. Com o reajuste, as tropas paraenses passarão a ter o oitavo maior salário pago a policiais militares no Brasil”.

A seguir, diz a nota, que “há uma clara disposição do governo em negociar com os militares por reconhecer a importância e a responsabilidade do trabalho desempenhado por estes servidores”. Por outro lado, diz ainda o documento, “apenas os batalhões de Icoaraci (10º), Marituba (21º) e Ananideua (6º) decidiram manter a paralisação de advertência, mesmo após a decisão tomada em assembleia de manter-se apenas em estado de greve até nova negociação”. Em dois batalhões, os de Icoaraci e Marituba, a paralisação já acabou, segundo a nota: “Durou poucas horas e o trabalho começou a ser retomado por volta de meia-noite”.

Em outro momento, segundo a Segup, “para evitar descontinuidade de policiamento e manter a segurança dos cidadãos nas áreas onde houve paralisação, a Polícia Civil foi deslocada para as ruas, junto com as Tropas de Missões Especiais da PM e com dez viaturas do Conselho de Segurança Pública do Meio Norte (Conen)”. Por fim, a Segup diz que “o Delegado Geral de Polícia Civil, Nilton Atayde, o Delegado Geral Adjunto, Riomar Firmino, o Comandante geral da Polícia Militar, coronel Daniel Borges Mendes e todos os comandantes de batalhões da Região Metropolitana de Belém também estão nas ruas para assegurar a tranquilidade da população”.

5 comentários:

Renan disse...

Bordalo, o senhor está bem empenhado em sua pré campanha para prefeitura. O sr irá usar o "medo" como arma politica tbm? Visto que em seu blog o Sr. só usa esse atributo como argumento (ser oposição é mais que isso), acho que sua campanha para prefeito de belém, se vier mesmo, será por esse mesmo lado, não?
abs

Anônimo disse...

A greve dos militares paraenses é algo inédito, mas, justa, conheço muitos militares e sei que eles não ganham o que merecem, por isso muitos precisam fazer bicos para ganhar um pouco mais, e com correm mais riscos, além de normal da profissão. E estou gostando da posição do movimento de greve dos mesmos. Estou preocupada com a questão da segurança da população do nosso estado, entretanto, também gostaria de saber quem irá bater nos militares, caso o movimento de greve endureça. É uma greve que precisa terminar logo, não pode ser enrolada por um longo período como a dos professores. caso contrário é uma mancha na "administração perfeita" do Governo Jatene

Anônimo disse...

hoje escutei um comentário com o seguinte conteúdo: " Os servidores da rede Estadual ou municipal tipo professores quando fazem protestos e revindicam melhores salários a policia militar vai lá e mete a porrada em professores e até em estudantes" hoje eles estão do outro lado da moeda então a pergunta é a seguinte quem vai meter a porrada neles também?

Anônimo disse...

Eu informo a você que o importante não é quem vai BATER, mas saber quando é que o cidadão de bem vai conseguir decodificar a realidade em que vivemos e entender que quando pensamos de uma maneira individualista ISSO FOI O RESULTADO DO CONTROLE QUE SOFREMOS DE UMA MINORIA, de pessoas que querem que a DISCÓRDIA PROVOQUE A DIVISÃO, UNIDOS SOMOS MAIS QUE O GOVERNO, não deixe eles te ensinarem a pensar, o USO PROGRESSIVO DA FORÇA EXISTE. O grande problema é que a maioria quer saber quem vai ganhar e quem vai perder, mas a nossa briga não deveria não deveria acontecer entre nós e sim contra o governo que lota para esconder e para dividir as opiniões pois só assim eles vão conseguir nos calar. "NÃO PENSE EM QUEM BATEU E QUEM APANHOU PENSE NO GOVERNO E COMO ELE CONSEGUE FAZER COM QUE O POVO BRIGUE DENTRO DE SEU PRÓPRIO MOVIMENTO E CONTINUE FICANDO SEM ATITUDE E SEM SABER NADA"

Anônimo disse...

SOLDADO BAIANO ACOMPANHA SUAS NEGOCIAÇOES POIS, VAMOS COM SERTEZA NOS MOVIMENTARMOS PARA UMA GREVE, NAO PORQUE QUEIRAMOS, MAS POR TENTARMOS NEGOCIAR COM UM GOVERNO PETISTA QUE POR REALIZAR INUMERAS PARALIZAÇOES NO PAÍS, NAO SEDE EM NADA PARA O PILAR DE QUALQUER GOVERNO QUE É SAÚDE, EDUCAÇAO E SEGURANÇA. VAMOS A LUTA.