Terminal hidroviário está parado. Parou por que, governador?



Em sessão na Alepa (Assembleia Legislativa do Pará), acabei de solicitar a realização de uma diligência no Terminal Hidroviário Metropolitano de Belém, localizado na Avenida Arthur Bernardes, no bairro de Val-de-Cães,  bem ao lado do Hospital Sarah. Como se sabe, o transporte fluvial é essencial para a população, posto que 80% do povo paraense utiliza o rio como meio de transporte.



O terminal  Hidroviário Luiz Rebelo Neto foi um espaço entregue pela governadora Ana Júlia Carepa e está totalmente abandonado, tomado pelo mato, o que dificulta o transporte de 4,5 mil  passageiros e o atendimento de embarcações de médio e grande porte, provenientes de várias regiões do Pará e dos Estados do Amapá e Amazonas.  

A diligência deve acontecer nesta quinta-feira, 1º de setembro, com o apoio da Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa. Nosso intuito é emitir um parecer técnico sobre as condições do patrimônio. Informações divulgadas pela imprensa dão conta que a obra está paralisada, devido a falta de um ajuste no paisagismo do local.

O questionamento é: por que o atual governo não coloca pra funcionar este terminal? 

O Governo Jatene deve uma explicação oficial à Alepa, à sociedade, à população, enfim. 

Trata-se de um caso grave de desrespeito para com o patrimônio público, que deveria estar a serviço da população e que iria melhorar o trafego do transporte hidroviário, atualmente concentrado em outros dois portos de Belém.

As fotos são da época em que foi entregue - pelo governo do PT, da companheira Ana Júlia. E agora, parado, serve apenas ao matagal e é mais um desserviço ao povo do Pará.

Comentários

Anônimo disse…
Dizem, que o Sergio duboc, estava escondido, nesse Terminal.