Opinião do PT sobre a divisão do Pará

Como fiz antes com o companheiro Paulo Rocha, agora reproduzo entrevista do presidente do PT-Pará, João Batista, ao blog do ex-ministro Zé Dirceu, sobre qual rumo o partido tomará na polêmica proposta de dividir o nosso estado A conversa foi publicada em 10/05:

"Para fomentar o debate sobre a emancipação dos Estados do Carajás e Tapajós - hoje, regiões situadas no Pará - entrevistamos João Batista, presidente do PT no Estado. Ele convoca todos os petistas da região: o tema será debatido em junho durante o Congresso Estadual do partido.

[Zé Dirceu]João, qual sua avaliação do plebiscito sobre a emancipação de Tapajós e Carajás?

[ João Batista ] O Pará é um Estado de dimensão continental. Ao longo dos anos, os governos concentraram sua atuação na região metropolitana e abandonaram as demais, como Carajás e Tapajós. Durante a gestão da ex-governadora Ana Júlia, o governo passou a ver o Estado como um todo, atento à integração, por meio de serviços e obras. Tapajós é uma região mais antiga. Por conta da distância em relação à capital, os povos originais que nasceram ali viveram anos de abandono. Já, Carajás sofre influência da migração de trabalhadores de outros Estados. A região agrega mineiros, goianos, paranaenses, gaúchos e tem pouca identidade com a cultura paraense. Essas questões culturais, políticas e geográficas nas duas regiões convergem para o objetivo de criação de um Estado e capital próprios.

[Zé Dirceu]Como o PT-Pará se posiciona a respeito?

[ João Batista ] Nós apoiamos o plebiscito. É uma ótima saída. Nós temos várias lideranças, PT local e prefeitos a favor da emancipação. Da mesma forma, há pessoas contra a emancipação. O PT-Pará é a favor do plebiscito. As bancadas estadual e federal vão pautar o tema no Encontro Estadual marcado para junho. Programamos reuniões com as duas regiões separadas, inclusive, para decidir como entraremos na campanha e como as lideranças vão deliberar. O objetivo é encontrar o meio termo para evitar constrangimentos, manter a unidade do partido e decidir como o PT agirá frente às diferentes posições.

[Zé Dirceu]Quais são as principais dificuldades dessa causa?

[ João Batista ] Nosso partido tem de lidar com o fato de serem regiões que concentram a maior parte da riqueza do Pará - reservas minerais (ouro, ferro, cobre, bauxita) e de madeira, além dos serviços. Essa realidade cria o temor de o Pará original ficar mais pobre. Teremos, portanto, uma disputa dura. Carajás e Tapajós concentram em torno de 40 a 45% da população do Estado. A emancipação traz, também, uma situação delicada para o Congresso em termos de representação e de manutenção do equilíbrio dos parlamentares.

Comentários