Jatene, enganando a quem?

Por Valdir Ganzer, deputado estadual (PT-PA), ontem, em seu blog

Somente Deus, em sua infinita grandeza celestial e os mágicos, em suas atividades lúdicas, têm o poder de transformar os seres e os fatos.

Deus opera sobre o ser humano a fim de fazê-lo cada vez mais digno de se autoproclamar seu filho. Os mágicos, por sua vez, nos encantam com seus truques magistrais onde até o sólido se desfaz em nuvens de fumaça, em pó, em pura magia. Há alguns dias li pelos jornais estatísticas divulgadas através do governo do estado. Primeiro foi o setor de segurança sobre a diminuição da violência no primeiro trimestre deste ano em todo o Pará. Segundo pelo IDESP destacando o aumento da pobreza no estado no biênio 2008/2009. Duas notícias em que o governo manipula números e os interpreta à sua maneira.

Diferente de Deus e dos mágicos, as mudanças e transformações não acontecem assim num piscar de olhos. Se ocorreu a diminuição a violência, muitos fatores contribuiram para isso como a ampliação de ofertas de trabalho, políticas públicas inclusivas, mais policiamento nas ruas e outras ações de resgate da cidadania e dos direitos fundamentais previstos em nossa Constituição. E o aumento da pobreza n o período citado se deu nos anos de crise internacional que atingiu os EUA e outros países do mundo mas que o Brasil se saiu muito bem, embora com sequelas. Mas as notícias soam como se o PSDB promovesse, num toque de mágica, a pralisação de toda a trágica cadeia de violência, de tráfico de drogas, assaltos a mão armada, que ocorrem em todo o nosso Estado. Querem enganar a quem?

O mesmo ocorre com os dados divulgados pelo IDESP, importante órgão de pesquisa que quando os tucanos estavam no poder fizeram o favor de sepultar, e a governadora Ana júlia ressuscitou, reestruturou e agora se presta a esse papel de induzir o leitor de que o governo do PT foi o responsável pelo empobrecimento da população. Diz o estudo do IDESP, que na verdade se baseia em estatisticas elaboradas pelo IBGE, Ministério da Saúde e pela SEPOF, que “embora a economia tenha crescido, não acompanhou o crescimento da população” e fala em mais de 200 mil pessoas vivendo com renda média de meio salário mínimo.

Essas estatísticas me parecem manipulação de números, que os técnicos do PSDB, a começar pelo governador Simão Jatene, sabem fazer muito bem, herdeiros que são do sistema neoliberal que tanto retrocesso causou ao País e por isso foi defenestrado nas urnas com a eleição do presidente Luis Inácio Lula da Silva, esse sim, o amigo do povão que o FHC insiste em virar as costas.

A realidade, sem mágica é a seguinte: O Pará vem recebendo, há 4 décadas, uma população imensa oriunda de diversas regiões do Brasil. São milhares de famílias, produtoras rurais, técnicos, profissionais liberais, muitos com renda outras sem nenhuma, parte dela pouco escolarizadas, sem qualificação profissional que aqui encontra trabalho e meio de vida. Mas esse processo é demorado e os pais de família têm de viver de bico ou sub emprego até se acertar.

Em meio aos bolsões de pobreza criados em torno das cidades grandes e até das pequenas proliferam a violência, o tráfico, a prostituição, que só o tempo, as políticas públicas e a evolução da sociedade irão contemporizar. Essa realidade irá perdurar, eu vislumbro, por mais 20 anos. Grandes projetos minerais, de energia e eletrificação, prospecção de petróleo, produção de biodiesel e derivados do dendê, de carne e peixe, pesquisa de bioma amazônico que tendem a se intensificar, farão do Pará o estado mais promissor nas próximas décadas.

O presidente Lula foi o grande artífice desse processo que em seu bojo apresenta distorções e consequências sociais que nós teremos de corrigir e sanar. Em 1970, éramos pouco mais de 3 milhões de habitantes, na entrada do novo milênio somamos mais de 6 milhões e agora estamos batendo 8 milhões de habitantes. Seremos em breve, 10 milhões e não há “PIB” nem “Per Capita” que consiga refletir a realidade deste Pará crescente e desenvolvimentista. Todas as pesquisas nos últimos anos, vêm mostrando crescimento na criação de empregos e investimentos na agroindústria, na construção civil, no aumento de números de shopping centers e supermercados. A população está consumindo mais alimentos, demandando mais serviços, no lazer, na sáude, no entretenimento, enfim, nossa economia cresce e aparece. Nunca se vendeu tanto veículo, motos , caminhões, como na última década e a cada dia os municípios do interior recebem novos projetos que geram emprego e renda.

Evidente que nem tudo são flores, que temos muito a realizar e a presidente Dilma está sensível a essas necessidades, por isso, tantos recursos do PAC para serem investidos em infraestrutura, em melhoria de qualidade de vida. Por esta razão é que o mapa social apresentado pelo PSDB é tão incoerente e incompleto de análise profunda. Observando com atenção, um de seus principais indicadores é o de perspectiva de vida que no Pará chega a 72,8 a maior do Brasil.

Distorcendo esses números, o PSDB pode em futuro próximo, provar do seu próprio veneno, porque o êxodo em direção ao Pará só tende a aumentar. Será que eles conseguirão fazer milhares de pessoas desaparecer num passe de mágica?

Comentários

Anônimo disse…
nobres lideranças que marcaram a HISTÓRIA do nosso estado. PRECISAMOS LANÇA-LAS AO PUBLICO.