Porquê criar a CPI do Tráfico de Pessoas?

Na legislatura passada fui autor do requerimento que permitiu a criação da chamada CPI da Pedofilia que realizou um trabalho forte, abrangente e que trouxe a tona a realidade cruel que estava estabelecida no Pará no que concerne aos abusos sexuais contra crianças e adolescentes.

No transcorrer da CPI da Pedofilia obtivemos informações de diversas redes de tráfico de pessoas para fins sexuais, mas como o foco da CPI anterior não era este, nós encaminhamos as denúncias para os órgãos competentes, principalmente para a Polícia Civil e Polícia Federal. Há duas semanas uma dessas denúncias encaminhadas a Polícia Civil e repercutida na época pelos jornais da nossa terra, tanto Diário do Pará quanto o jornal O Liberal, foram investigadas pela diligente delegada Christiane Lobato, atualmente dirigindo a DATA (Divisão de Atendimento ao Adolescente) e que após denúncia de uma mãe quanto ao desaparecimento de seu filho de 15 anos, com consentimento da própria mãe a foto deste menor foi enviada a todo país. A policia de São Paulo identificou onde estava o menor, em seguida comunicou a Polícia Civil do Pará, na pessoa da delegada, e realizou operação que estourou dois cativeiros em duas pensões, sendo encontradas 70 pessoas numa delas e 30 pessoas na outra. Estas vítimas estavam em cativeiro, lembrando a maneira degradante de trabalho nas fazendas do nosso estado, na qual pessoas ficam presas por dividas.

O que mais chamou atenção é que das 100 pessoas, existiam pelo menos 10 menores de idade, dos quais seis são daqui. Deste universo de 100 pessoas, 90% são do Pará, isso por si mesmo já justificaria que iniciássemos uma CPI. Mas existe a outra dimensão que é o tráfico internacional de pessoas para fins sexuais. Falasse de rotas para a Europa, para América Central. Uma realidade estampada em toda sua crueldade na “Pesquisa Tri-nacional Sobre o Tráfico de Mulheres do Brasil e da República Dominicana para o Suriname”, feita pela coordenação da ONG Só Direitos, apoiada pela rede internacional GAATW e realizada no ano de 2008, e que oferece vasta informação a cerca do tema, reclamando por si mesmo providências.

É este alerta à sociedade, é esta mobilização e esta conscientização que a CPI do Tráfico de Pessoas pretende levar a efeito. Queremos contar com o apoio de todos, sociedade civil organizada, classe política, Poder Judiciário, vamos precisar também da colaboração dos organismos da Segurança Pública, dos Governos Estaduais e Federal, dos Legislativos Municipais, enfim.

Convidamos todas e todas para essa grande cruzada em favor da dignidade humana.

Comentários

Anônimo disse…
Deputado, temos banir de vez de nosso país,isso que uito mais que vergonha é um reflexo relações humanas destroçadas pelo capitalismo.
Sei muito bem o que é ser recruta/engana, transportada, reclusa... e muito mais que prefiro nao colocar em um blog.
Mas prefiro dizer que a sociedade , ainda que tenha uma visão muito preconceituosa em relação às mulheres/homens traficadas, também pode ser grande protagonista no sentido de denunciar os possíveis aliciamentos. Se não denunciarmos, ás vezes por medo, às vezes por que acreditamos que isto não nos afeta e muitas vezes por falta de informação de como denunciar, acabamos por deixar com que este tipo de exploração seja sexual, do traalho ou de outro fim continue acontecendo.
CONTE CONOSCO!!!!